6 táticas de anarquismo urbano


O que você pensa quando ouve a palavra anarquia? Caos, bagunça, baderna? Ou então você considera a palavra como sinônimo de revolução? Considerar anarquismo como bagunça até faz sentido devido à incansável contrapropaganda dos inimigos da liberdade. No entanto, se você considera o anarquismo como revolução ou levante popular, sugiro que leia Hakim Bey.

Anarquistas são contrários ao sistema de castas, elas desdenham dos donos da verdade e das pessoas que querem dominar as outras usando a própria imagem para iludir, manipular e lucrar absurdos.

Você pode pensar: "poxa, um mundo ideal é anarquista, mas é impossível, o Estado sempre estará aí. O mundo só funciona com leis. Acho que vou esperar a revolução".

Por muito tempo eu usei a palavra revolução. Inclusive o slogan da Ou Seja (site de jornalismo que eu fundei) é "comunicar para revolucionar". Convenhamos... Além de ser uma rima bem fraca, também é mero desejo juvenil. Antes de nos apegarmos a uma palavra ou conceito é bom beber da fonte. Pois bem, a palavra revolução vem do latim "REVOLUTIO, 'ato de dar voltas', de REVOLUTUS, particípio passado de REVOLVERE, 'girar, virar, dar voltas', de RE-, 'de novo', mais VOLVERE, girar", segundo o site Origem da Palavra. Ou seja, girar, girar, girar e não mudar de fato. Historicamente é exatamente isso que aconteceu com a maior parte das revoluções.

"O slogan 'Revolução!' transformou-se de sinal de alerta em toxina, uma maligna e pseudo-gnóstica armadilha-do-destino, um pesadelo no qual, não importa o quanto lutamos, nunca nos livramos do maligno ciclo infinito que incuba o Estado, um Estado após o outro, cada 'paraíso' governado por um anjo ainda mais cruel", alerta Bey.

Como eu disse, anarquismo não é revolução. Naturalmente, vários autores anarquistas irão falar em "espírito revolucionário". Entretanto, crer em revolução nos dias atuais é um tanto ingênuo. Bey argumenta: "Primeiro, a revolução até hoje não nos levou à concretização desse sonho. A visão ganha vida no momento do levante - mas assim que a 'Revolução' triunfa e o Estado retorna, o sonho e o ideal já estão traídos. Não deixo de ter esperança, nem deixo de ansiar por mudanças - mas desconfio da palavra revolução. Em segundo lugar, mesmo se substituirmos a abordagem revolucionária pelo conceito de levante transformando-se espontaneamente numa cultura anarquista, a nossa situação histórica específica não é propícia para tarefa tão vasta. Absolutamente nada, além de um martírio inútil, poderia resultar de um confronto direto com o Estado terminal, esta megacorporação/Estado de informações, o império do espetáculo e da Simulação".

Anarquismo também não é sobre largar tudo e ir morar numa ilha. Nem tampouco sair fazendo a primeira coisa que lhe vier à cabeça. Anarquismo, como eu percebo, um estilo de vida, um conjunto de táticas de sobrevivência e autogestão num meio opressor. Sobrevivência não apenas do corpo físico, mas também de sua mente, afinal, vivemos num sistema que mina nosso interior. Quer esperar a revolução? Irá esperá sentado.

E bem, você acha que o mundo só funciona com leis? O que não falta no Brasil são leis bem construídas do ponto de vista jurídico. No entanto, as leis não impedem assaltos, assassinatos, estupros... Por que será? Em alguns casos a nossa cultura incentiva o crime. Como é o caso de estupros. Numa cultura machista, a vítima tende a ser criminalizada. Exemplos não faltam! O pastor político (duas coisas que detesto num só) Marco Feliciano foi acusado de estupro, e daí? Quem está levando a culpa é a garota!

Você já se perguntou pra que serve realmente o Estado? Para cagar regras na mente das pessoas e não cumprir o que prometeu. O Estado quer impostos e diz que retorna em segurança, saúde e educação. Mas pra quem? Pra quem pode pagar por tudo isso. Simples, os estadistas fazem o que bem querem e raramente são punidos por isso. Eles se sentem acima da lei que eles mesmo criaram e/ou mantém. A lei nunca é para eles, apenas para os outros.

Anarquistas defendem a autogestão, a livre associação e a ajuda mútua. Para sobreviver num Estado repressor, onde tudo é hierarquizado, anarquistas criam as Zonas Autônomas Temporárias (TAZ). É bem provável que você já tenha entrado em contato com algumas delas mesmo sem saber do que se trata. O anarquismo é considerado como mera utopia na mente dos desavisados. No entanto, ele está mais presente do que você imagina...

O anarquismo urbano está longe de ser roubar um banco ou de destruir uma loja. Quem faz isso é classe média que quer passar um tempo na cadeia. Quem destrói patrimônio alheio sem causa específica é playboy que tem tempo para isso...

Enfim, sem mais delongas, agora vamos às táticas de anarquismo urbano.

SEJA nômade

Crie raízes, mas corte-as assim que puder. O conceito de nomadismo psíquico é vital para a formação da TAZ. Bey prefere o termo "nomadismo psíquico" a "nomadismo urbano" simplesmente para poder juntar vários conceitos num único sistema e englobar vários tipos de pessoas. Para ele, viajantes psíquicas são guiadas pelo desejo ou pela curiosidade. Portanto, são naturalmente desligadas de qualquer local ou tempo determinado. É, portanto, fluir antes de ser. Quem é nômade psíquico? Artistas, intelectuais, trabalhadores imigrantes, refugiados, os "sem-teto", turistas, e todas aquelas que vivem em trailers - assim como pessoas que navegam na Internet, mesmo aquelas que nunca saíram dos próprios quartos.

É preciso saber se desapegar de tudo aquilo que te coloque no mesmo lugar/tempo. Ficar o dia inteiro apenas no Facebook, sendo que a Internet é ilimitada, não é ser nômade, ok? Ser nômade na Internet é ler, viajar, navegar em muitas águas, e não apenas naquela que o Mark te dá de mãos beijadas...

EXPERIMENTE TUDO O QUE PUDER

Tenha em mente que tudo é temporário. A única certeza que temos é a da morte. Então para que se apegar a uma única coisa ou a um único modo de ver a vida? Isso não significa trocar emprego, namorado ou amizades ou tempo todo. Mas sim reagir e interagir de maneiras diferentes no seu meio. Abrace o caos: ou seja, abrace o temporário.

Seja estrategista

"A TAZ é um acampamento de guerrilheiros ontologistas: ataque e fuja. Continue movendo a tribo inteira, mesmo que ela seja apenas dados na web", explica Bey. Como eu disse, anarquismo não é sobre guerrear e esperar a revolução. Anarquismo é sobre entender que a vida é fluidez e movimento, logo, o que você ganha em ficar parada? "O ataque é feito às estruturas de controle, essencialmente às ideias. As táticas de defesa são a 'invisibilidade', que é uma arte marcial, e a 'invulnerabilidade', uma arte 'oculta' dentro das artes marciais", complementa o autor. Mova-se sem ser vista. Comece movimentos populares sem que saibam seu nome. Acenda a "pólvora" das ideias sociais sem que possam ligar você ao fogo...

Choque a sociedade

A anarquista gosta de chocar. Não apenas com suas roupas, mas com a arte. Dance de forma bizarra, faça apresentações desconsertadas, coloque cartazes pela cidade, faça grafites, pregue a bruxaria a um pastor etc...

Banksy, artista de rua, faz justamente isso com a sua arte.

SEJA FREEGAN

Guilherme Rocker é um YouTuber que mora na favela e que choca a sociedade. Ela se infiltra na indústria do espetáculo, incorpora um personagem que é considerado "sonso" em termos populares. No entanto, talvez o que poucas pessoas percebam são as estratégicas anarquistas dele. Ele é um dos maiores freegans brasileiros e conta sua estratégia com muito humor no seu canal de YouTube. O freeganismo propõe boicote ao consumo, de forma a reaproveitar alimentos e objetos descartados pela sociedade de consumo.

PLANTE E COLHA

Você realmente confia na comida que chega até a sua mesa? Realmente confia no Estado para regular o nível de veneno que há em seu prato graças à quantidade absurda de agrotóxicos? Não? Então se mobilize e faça sua própria horta em casa, ou então no seu bairro. Ocupe algum terreno vazio, alguma praça mal cuidada e pronto. Tenha comida saudável em sua mesa.

Bom, essas foram as táticas de hoje, porém há muito mais vindo por aí. E então, o que achou do post? Você se considera anarquista? Curte o assunto? Comente, compartilhe, deixe seu ponto de vista.

#Anarquismo

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social