O bruxo precisa de dogmas?


“Permanecer unidos nos faz permanecer fortes” Um dos desejos de alguns bruxos é integrar um grupo “religioso” que valorize sua visão espiritual e participação voluntaria, fazendo assim com que inúmeros covens se tornem sua segunda família e seu grupo de crenças em comum. Graças à rede de informações que possuímos hoje temos total ciência dos outros bruxos, com contata-los e encontra-los. Também não é novidade a perseguição aos bruxos, ainda um resquício do passado patológico das religiões e da inquisição. Isso ressalta um detalhe importante: enquanto há um oponente contra todos, ele mantém de certa forma, todos unidos enquanto houver um oponente em comum. Porém, este ao cair, dá margem a um novo cenário, com um novo dilema:

O convívio daqueles que lutaram pela queda do inimigo, da ignorância, que se dividem em dois grupos: • Os que lutaram pela coexistência independente das diferenças. • Os que lutaram pela vitória de um ideal dogmático.

Tem ocorrido no meio bruxo, reclamações de grupos que tem se desentendido, levando a pequenas perseguições, o que leva a uma questão: O que ocasionou a perseguição por bruxos durante a inquisição? A dogmática Católica. Corre-se risco de haver algum tipo de perseguição por excessos cometidos em nome de um dogma. E ao que parece isso inclui os próprios bruxos. O que é e o quão útil e correto é lutar por um dogma? Um dogma é uma doutrina imposta onde não se admite contestação, e é base fundamental de alguns grupos religiosos. No caso do bruxo, não vale a pena se isso nos afastar demais de outros bruxos. Todos têm direito de manter suas características inatas, sobretudo aquelas que são fruto de anos de estudo magico, assim como todos tem que respeitar os grupos de religião pagã, seus métodos, costumes e dogmas, mesmo não participando deles. Porém os excessos podem contaminar o convívio de todo um grupo, que tem por uma das características a união de pessoas muito diferentes entre si. Nem sempre um dogma agrada a todos, e aos que agradam, é comum o repudio por aqueles que têm aversão ao dogma. Entretanto é possível chegar a alguns pontos em comum; quanto ao mais básico de um “dogma bruxo” por assim dizer, que precisa ser compilado e atualizado (é claro) em nome do bom convívio de todos os bruxos com a colaboração de todos, almejando sempre a união e o reforço de todo o grupo, não importando o quão diferentes sejam as pessoas que o compõem, e o quão diferentes sejam suas linha magicas. Longe de querer impor dogmas, sabes que por logica, um dogma não é digno de ser seguido se não atender alguns preceitos básicos de humanidade e tolerância:

• Preservar primeiramente a vida • Lutar pela proteção pessoal e dos demais • Elevar sempre a alma, o espirito e a consciência de todos • Unir a todos como uma grande família composta por diferentes pessoas • Lutar contra a discriminação das minorias religiosas incluindo a própria • Preservar o direito de individualidade e não opressão sobre um membro • Respeitar o direito de opinião, levando em consideração, com tato, o nível de conhecimento e intimidade com a magia de cada um • Lutar contra o racismo, preconceito, misoginia, misandria, dentro dos círculos. • Não usar de conceitos e éticas pessoais na hora de avaliar uma doutrina • Agregar valor, boa energia e informações verdadeiras, melhorando a perspectiva de visão sobre o bruxo e a magia no geral, em especial para o leigo, desmistificando crendices preconceituosas perpetradas pelos meios de comunicação intolerante. • Ter humildade para mudar de opinião e aceitar um erro próprio • Saber perdoar ao próximo e a si mesmo

#Opinião #Debate

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social