É correto que bruxos ganhem dinheiro com magia?


Não, não estamos falando de encantamentos que te fazem ganhar prêmios lotéricos! Estou me referindo a literalmente ganhar dinheiro com o “ofício bruxo”. Muitos dizem simples e prontamente que é errado, e outros o oposto, enquanto para alguns isso é algo indiferente. Mas por que para algumas pessoas ganhar dinheiro como ofício de bruxo pode parecer tão errado? Para isso temos que entender o papel da bruxa no decorrer da história e nos dias de hoje, e com que base algumas pessoas dizem ser correto ou errado o bruxo ganhar dinheiro com seu ofício.

Primeiramente, o que é o ofício bruxo? Encantar, fazer magia, enfeitiçar, trabalhar com ervas e benzeduras, criar e vender amuletos, itens especiais com atributos incomuns, predições, previsões, leitura da sorte em algum oráculo, fabricação de poções, e muito mais, poderiam ser tidos como atividades comuns do meio bruxo, mas nem tanto para o leigo. O que precisamos para sobreviver hoje em dia, na selva urbana? Tecnicamente dinheiro. Pagar contas, água, luz, moradia, impostos, comida, roupas e medicamentos, transporte, etc. Tudo isso são bens e serviços dos quais todos usufruem, pagando. O bruxo em algumas sociedades era marginalizado, mas procurado secretamente e dentre suas inúmeras características devido ao isolamento estavam a sua resistência e autossuficiência. Entretanto, era ainda humano e integrado de certa forma numa sociedade com a qual interagia ao seu modo, inclusive requisitando e prestando certos bens e serviços como dito anteriormente. O bruxo não era lenhador, não era ferreiro, não era marceneiro. O bruxo era bruxo e conhecia além das artes comuns a todo cidadão da época para sobreviver, aquelas que ninguém mais a não ser um bruxo poderia oferecer. Havia então, um mercado para o bruxo exercer seu “ofício”. Vendia seus serviços, alguns em surdina, e em troca de pagamento o qual era empenhado na sua subsistência. Mas se isso era comum, e tantos falam em tradição, por que para algumas pessoas parecem tão errado ganhar dinheiro com seus préstimos e serviços?

Bruxaria e sacerdócio: os super bruxos internautas globalizados da atualidade

Atualmente ninguém nasce bruxo, e muito provavelmente não começa a vida profissional ganhando dinheiro como bruxo. Trabalham apara alguma empresa ou são autônomos. Depois de certo tempo acumulando conhecimento e fazendo inúmeras descobertas entendem que são bruxos e esse novo mundo começa a tomar conta de sua realidade cada vez mais, em quase todos os nichos, e por vezes seus préstimos como bruxo adquirem características elevadas, praticamente profissionais.

O bruxo muitas vezes se desencanta com as religiões da atualidade, cada vez menos interessadas na evolução espiritual ou no respeito à divindade em si, tendo se tornado palco para arrecadação desenfreada de dinheiro e picadeiro de estrelato e preconceito de líderes religiosos duvidosos e abusivos. Logo, ele recorre à espiritualidade livre do sistema tradicional e acaba se tornando devoto de alguma divindade, a ponto de se tornar o sacerdote (senão de um coven, solitariamente), de onde muitos creem vir parte, senão toda sua “magia”. Logo, em sua visão, ganhar dinheiro com isso seria impróprio, preferindo prestar os serviços gratuitamente como forma de gratidão a divindade ou por simples altruísmo, e inclui-se ainda o fato de possuir outra fonte de renda, fora do nicho magico, o que nos leva então a dois casos distintos e aceitáveis: Conclui-se assim que cada pessoa pode extrair o que quiser da magia, incluindo aqueles que querem usá-la como fonte de renda, vendendo livros, encantamentos, predições, amuletos, poções e etc., pois assim como nos tempos antigos, proporcionar essas coisas a outrem delega tempo e esforço, que poderia ser sim renumerado se ofertado a outra pessoa que não quer ou não pode fazer o trabalho em si.

Charlatanismo e estelionato

Assim que as pessoas sem caráter perceberam que as pessoas se dobravam facilmente às religiões, surgiram milhares de líderes religiosos que se esforçam unicamente em retirar de seus fiéis, dinheiro, submissão e controle. O montante acumulado mostra apenas uma pequena parte da face da ganância dessas pessoas, usando de meios cada vez mais variados e surpreendentes com todos os veículos da mídia existentes para propagar seu sistema de crença em troca de arrecadações cada vez maiores em troca de aprovação diante de uma divindade que supostamente apoiaria tudo que seu sacerdote charlatão especula. Pois exatamente tudo isso se repete no meio mágico, onde bruxos da má índole usam dos meios mais diversos e escusos para ludibriar suas vitimas.

Oferta e procura: magia de verdade anda junto com a honestidade

Quando for requisitar trabalhos de algum bruxo, seja você também bruxo ou leigo, tomai cuidado para não serdes enganado. Preços abusivos, ameaças, futuros catastróficos e ruína condicionada a serviços não pagos são formas que algumas pessoas usam para manipular e coagir clientes e e extrair deles dinheiro e confiança. Quanto ao bruxo que oferece o serviço, deve ser de total confiança, mostrar-se claro, dedicado e honesto, oferecendo o trabalho de forma profissional, justa e realista. Toda pessoa que busca ajuda só o faz por um motivo: solucionar um problema. Muitos que os procuram não estão somente comprar algo por curiosidade, estão em muitos casos passando por problemas graves e delicados, que ninguém mais pode ajudar. Estão depositando em ti, além do investimento, confiança e esperança.

#Moral #Dinheiro #Magia #Ofício

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social