7 Ideias espirituais que permitem abusos e culpabilizam a vítima


A espiritualidade pode ser uma coisa linda, um bálsamo curativo para o sobrevivente que sofreu trauma. Eu acredito como sobreviventes todos nós temos o direito a nossas crenças e fé únicas. No entanto, existem algumas crenças espirituais e princípios que, quando levados a sério demais, podem ser distorcidos para culpar ou envergonhar vítimas de abusos ou outras formas de trauma, provando-se prejudiciais e limitando a jornada de cura. É importante esclarecer os quadros espirituais que podem dificultar ou impedir a viagem de um sobrevivente a uma cura autêntica e pode perpetuar um discurso maior da vítima na sociedade. Aqui estão sete filosofias espirituais que podem ser mal utilizadas para culpar a vítima e permitir abusos.

1. A ideia de que não há separação. Os gurus espirituais gostam de promover a ideia de que somos todos "um". Isto é verdade até certo ponto: somos todos humanos, com uma experiência similar de consciência, vivendo em um mundo interconectado. O que afeta um, inevitavelmente afetará outro (a menos que eles estejam protegidos dos efeitos por uma bolha de privilégio). No entanto, a ideia de que o abusador e a vítima são "um" tende a minimizar e negar a realidade do comportamento patológico do agressor, o que os torna muito menos unidos com o resto da humanidade e da sociedade como um todo. A verdade é que, enquanto estamos todos interligados, os abusadores raramente têm qualquer respeito por essa interconexão sagrada; eles são mais propensos a ser divisivos e odiosos para reforçar o seu falso senso de superioridade, suas agendas egoístas e sua falta de empatia ou compaixão por qualquer pessoa além de si. Eles representam danos incríveis aos seus entes queridos, bem como à sociedade em geral.

O agressor torna-se distinto e separado da vítima ao praticar atos horríveis de violência emocional, psicológica e física. Quando usado para desculpar o agressor, esta filosofia nega totalmente o fato de que alguns abusadores não têm capacidade para simpatizar ou mostrar remorso por seu comportamento, o que é uma grande parte do que nos torna humanos. Esta filosofia pode ser explorada para justificar assaltos horríveis à identidade da vítima e à erosão das crenças, instando-o a reconciliar com o agressor sob a ideia de que devemos tratar o agressor como todos os outros, como nós, ao invés de um perpetrador que precisa ser responsabilizado por suas ações.

2. Nossa dor é uma ilusão, criada pelo nosso pensamento "disfuncional". Todos ouvimos esta, especialmente em estruturas espirituais de nova era. Nesse cenário, somos criadores de nossa própria dor devido a pensamentos errôneos, porque "o amor é tudo que existe". No entanto, o verdadeiro amor raramente existe dentro de um relacionamento abusivo (a menos que venha da vítima) e nossas percepções sobre o O abuso não é simplesmente devido a um pensamento errôneo - eles são devidos a atos prejudiciais de violência mental e física. Seja qual for a sua opinião espiritual sobre este assunto, a ideia de que a dor é uma ilusão criada pela separação inventada em sua mente quando usada para se referir ao abuso é extremamente invalidante para os sobreviventes de trauma severo, cuja dor é improvável que se sinta como uma figura de seus imaginação. É, de fato, uma forma de iluminação gastronômica para dizer às vítimas de abuso que sua dor só existe dentro de suas próprias percepções e não na realidade.

Aparentemente, os efeitos psicológicos e bioquímicos do abuso que sentimos não são reais e a realidade é uma miragem bastante convincente que obscurece o mundo espiritual mais rico e profundo, onde todo o nosso trauma faz sentido, onde a experiência do abuso se encaixa no maior imagem - uma imagem que de outra forma parece inexplicável para nós. É verdade que temos a agência para fazer escolhas que nos causam dor ou diminuir nossa dor; até certo ponto, também podemos controlar nossos pensamentos e comportamentos. Terapias como a terapia cognitivo comportamental, por exemplo, dependem do fato de que os seres humanos podem aliviar alguns de seus sofrimentos mudando a maneira como eles pensam, o que pode potencialmente afetar suas emoções, bem como o comportamento.

No entanto, quando se trata de trauma, mudar nossos pensamentos sozinhos pode ser limitado na cura de trauma complexo - muitas vezes leva a cura no nível de mente, corpo e espírito usando métodos tradicionais e alternativos, para realmente superar os efeitos do abuso (e mesmo assim , a cura não tem prazo fixado). A dor de um relacionamento abusivo não é de modo algum ilusória - pode existir dentro de nós, mas é infligida a nós e evocada por pessoas tóxicas neste mundo que manipulam, controlam e degradam os outros até que se sintam inúteis, até que estejam esgotados recursos, seus sonhos e sua esperança - durante todo o trauma que eles submeteram suas vítimas. Dizer que a dor é uma ilusão é um pretexto para segurar abusadores responsáveis ​​por mudar seu comportamento abusivo; É culpa de vítimas e vergonha de vítimas, e não faz nada para melhorar a sociedade como um todo.

Para que os sobreviventes se sintam validados em suas experiências, busque ajuda e se separe de seus abusadores, precisamos reconhecer a realidade do dano causado aos sobreviventes de abuso. Precisamos abandonar o mito de que os sobreviventes de abuso estão apenas segurando uma "história" que os causa dor, ao invés de trabalhar para abordar os traumas da vida real que ainda podem afetá-los psicologicamente e fisiologicamente anos após o abuso.

Existem maneiras de reformular e reescrever nossas narrativas sem se culpar pelo abuso. Esse dano só se torna mais exacerbado quando as comunidades espirituais encorajam o sobrevivente a considerar toda dor como uma ilusão, em vez de uma realidade legítima e vivida que afeta nossas mentes, nossos corpos e nossos espíritos.

3. O perdão é um dever em todas as situações, em todos os contextos. Como escrevi sobre o assunto em profundidade no meu artigo, "Devemos perdoar nossos abusadores?", Nem todo sobrevivente descobre que o perdão é necessário para sua cura ou para avançar com suas vidas. O perdão prematuro também é uma reminiscência dos sobreviventes do comportamento envolvidos quando desculpou, minimizou ou tentou esquecer o comportamento do agressor durante o ciclo de abuso; não é algo que todos os sobreviventes se sentem aliviados durante a jornada de cura - de fato, alguns sobreviventes podem se sentir capacitados por não perdoar seus abusadores, particularmente em casos de abuso sexual.

O perdão certamente tem seus benefícios, mas para alguns sobreviventes que foram roubados de suas escolhas, pode sentir-se retraumatizante para perdoar um agressor que não mostra remorso; Também está retraumatizando ser forçado ou envergonhado pela sociedade a fazê-lo. Envergonhar os sobreviventes sobre o que deve ser uma escolha pessoal é contraproducente e muitas vezes prematuro.

Se o perdão é verdadeiramente para o sobrevivente, não para o agressor, então os sobreviventes devem ter permissão para escolher o que sente melhor para eles e suas viagens únicas.

Os sobreviventes vão perdoar se e quando estiverem prontos, geralmente após ter processado seus traumas de maneiras saudáveis. Empurrando-os para perdoar muito cedo ou quando eles não estão dispostos devido a este quadro espiritual, o perdão magicamente faz de você uma pessoa melhor, realmente impede seu processo de cura e erosona a integridade de suas escolhas.

4. O ego deve ser erradicado completamente para alcançar a felicidade. Enquanto todos queremos nos afastar de deixar nossos egos, a parte de nós mesmos mais associados com o medo e a fisicalidade, correm nossas vidas, a verdade é que o que muitas comunidades espirituais chamam de "ego" consistem em autênticas emoções humanas que são incrivelmente importantes para reconhecer, validar, processar e canalizar para saídas mais saudáveis. Por exemplo, na verdade é a sua raiva justa e indignação em relação a maus tratos e injustiças que permitem que os sobreviventes se separem de seus agressores, lutar contra os males da sociedade e motivá-los a reconstruir suas vidas.

Enquanto o ego é muitas vezes difamado como a raiz de todo o mal, a verdade é que as emoções associadas ao "ego" realmente têm raízes indispensáveis ​​no processo de cura e podem ser usadas para cultivar a liberdade emocional. Reconhecer as emoções associadas à definição espiritual do "ego" pode ser libertadora para o sobrevivente do abuso que foi ensinado que suas necessidades, sentimentos e direitos básicos não são importantes.

Muitas comunidades espirituais degradam o "pensamento baseado no medo" do ego, mas o fato é que precisamos do medo às vezes para avaliar o intuito intuitivo sobre as intenções de alguém; Precisamos raiva para nos lembrar quando estamos sendo tratados injustamente. Rejeitar qualquer coisa que não seja "amor" como ego, e dizer que é sempre prejudicial, é falso e contraproducente.

Essas emoções também podem ser sinais, e enquanto eles não precisam ser agredidos de forma destrutiva, eles devem ser atentos para autocuidado e autoproteção.

Considere que essa filosofia também nos encoraja a nos desensibilizar as múltiplas camadas de luto envolvidas na cura por trauma, em vez de enfrentá-las e processá-las de maneira construtiva. Ele descarta o fato de que muitos sobreviventes de abuso podem sofrer de sintomas de PTSD ou PTSD complexo, que contém uma infinidade dos mesmos traços que tradicionalmente é conhecido como "ego". Espiritualmente, deve haver um equilíbrio entre validar nossas emoções e permitir-nos curar. Em última análise, não podemos trabalhar para recuperar do que nem sequer permitimos chegar à superfície.

5. O que você vê em outro existe em você mesmo. Ocasionalmente, isso é verdade, mas simplesmente não o corta quando se trata da comunidade de sobreviventes de abuso como um todo. É, em essência, uma falsa equivalência que compara o agressor com a vítima de formas prejudiciais e reorienta a atenção sobre as qualidades da vítima, em vez do agressor. É verdade que podemos às vezes subconscientemente gravitar em pessoas que representam o que as comunidades espirituais e psicológicas chamam de "nossa sombra", partes de nossas identidades que escondemos ou sublimamos. Todo ser humano em algum momento também projetava qualidades para outros em algum momento ou se viu desprezando qualidades em outros que eles vêem em si mesmos.

No entanto, esta filosofia é usada com muita freqüência para fabricar semelhanças entre abusador e vítima, onde não há, para desviar o foco do agressor e, em vez disso, responsabilizar a vítima por qualidades que não existem.

Uma vítima compassiva, por exemplo, considera os sentimentos do agressor, mesmo durante os incidentes de abusos horríveis; muitos acham que o medo, a obrigação e a culpa de deixar seu abusador desempenham um papel em permanecer muito tempo no relacionamento. O agressor, por outro lado, não tem em consideração a forma como ele ou ela afeta os outros ou os danos que cometem.

Você não conseguiu encontrar mais dois seres humanos diferentes e distintos em interação uns com os outros em um relacionamento abusivo. Um busca decência e respeito básicos, mostra enorme empatia, tem um desejo de um relacionamento amoroso - enquanto o outro procura explorar esse desejo de cumprir sua agenda maliciosa.

6. Nós "atraímos" o agressor por isso temos que assumir a responsabilidade por ser abusado. Embora eu seja uma grande crente na agência e no empoderamento, simplesmente não consigo estender a ideia de que o abuso é, de qualquer forma, culpa de um sobrevivente. Os abusadores manipulam, degradam e diminuem os outros, independentemente de quem são. Independentes ou dependentes de códigos, ricos ou simplesmente sobreviventes, extrovertidos ou introvertidos, felizes ou deprimidos - eles alvo vítimas devido à sua capacidade de empatia, não por causa de suas deficiências pessoais, deficiências ou traços de caráter. Se a vítima tivesse traumas passados que "programaram" ou "prepararam" a vítima por abuso, ainda não justifica o abuso; na verdade, torna o agressor ainda mais doente por retraumatizar uma vítima que já foi vítima.

7. Nunca somos vítimas - criamos tudo. Não me interpretem mal: gosto da ideia de que os sobreviventes podem criar uma nova realidade para si mesmos, fortalecerem-se e reconstruírem suas vidas, mais vitoriosos do que nunca. Eu encorajo os sobreviventes a usar todas as ferramentas que eles têm à sua disposição para alcançar seus objetivos e sonhos (incluindo uma vida de liberdade longe de seus abusadores), de formas tradicionais e alternativas. Se os princípios da manifestação o ajudam a alcançar uma nova realidade, vá para ela. Não há nada de errado em imaginar-se em um futuro melhor e tomar as medidas para atingir seus objetivos. Você é digno da melhor vida possível.

No entanto, quando essa ideia é usada para culpar a vítima pelas ações de um agressor, torna-se extremamente problemática. Quando a sociedade está focada em perguntar à vítima o que ele ou ela "fez" para criar essa situação, em vez de demonstrar compaixão por sua situação e pensar quais os recursos que poderiam usar para ajudá-la, temos mais e mais sobreviventes que ficam em silêncio sobre o abuso eles são duradouros (acreditando que é culpa deles), mais sobreviventes que se alimentam de auto-culpa e vergonha por um fardo que nunca pediram. As vítimas já disseram ao agressor que o abuso é culpa dela - o último que eles precisam é para a sociedade concordar com eles.

Ninguém nunca pede ou nunca cria conscientemente para si um relacionamento abusivo; Os sobreviventes não desejam os traumas que vêm com um relacionamento abusivo ou o impacto potencialmente vitalício. A vítima não é um jogo de sobreviventes de maus-tratos, quer: é uma realidade legítima. Em vez de colocar a culpa onde realmente pertence (sobre o agressor), esta filosofia descarta o fato de que a maioria das vítimas não vê o eu real de um agressor até que eles já estão investidos, minimiza o impacto do abuso crônico na auto-estima de um sobrevivente. agência e sua capacidade de deixar um abusador com quem eles desenvolvem uma ligação de trauma.

Independentemente das suas crenças espirituais, vamos usá-las bem. Vamos ampliar a ideia de interligação para ajudar as vítimas que sofrem todos os dias das realidades do abuso verbal, emocional, físico e sexual. Paremos de deixar os abusadores fora do alcance e permitir o seu comportamento - não é bom para a vítima OU para o agressor, e é possível demonstrar compaixão à distância. Vamos parar de nos desconsiderar o impacto traumático dos abusos e policiais sobreviventes que falam a verdade sobre isso.

Não há nada mais compassivo e autenticamente espiritual do que ajudar aqueles que realmente precisam disso. Não há nada mais compassivo e empático do que responsabilizar as pessoas por mudar o comportamento que destrói vidas. Vamos praticar a espiritualidade autêntica - o tipo que comemora empatia pelos abusados, que permite que os sobreviventes tenham sua própria jornada de cura única em seus próprios termos e crie um mundo mais seguro para todos.

Traduzido por Lua Valentia.

Leia o texto original aqui.

#Espiritualidade #Abuso #Autodefesa

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social