Cidade Negra e Magia de Morte


Parte 6 da série: Contos Octarinos, hipersigilo em histórias curtas mesclando ocultismo e ficção. Parte 1: A Bolha Octarina Parte 2: Cidade Vermelha Parte 3: Cidade Laranja Parte 4: Cidade Azul Parte 5: Cidade Verde É um tour pelas cores da magia do caos, segundo sistematização de Peter J. Caroll. Aqui eu trago minhas elaborações pessoais a respeito desse estudo ao longo da trama. É a minha visão, que você pode ou não se identificar e adaptar às suas práticas, faça o que for melhor pra você. Se você quer entender mais sobre o assunto, recomendo os textos e livros da Penumbra Livros, o link está ao final dos textos. Espero que gostem!! Introdução

Quando eu ainda era um feto a morte flertou comigo, éramos duas crianças enroladas, rolando escada abaixo. Eu nasci, cresci e ela continuou me visitando sob diversas formas. Nas madrugadas solitárias surgia como uma sensação estranha, uma ausência de sentido, uma peça paradoxal faltando no quebra-cabeça. Algo que eu queria desvendar, mas tinha medo. Ela me impulsionava a viver tanto quanto me fazia querer morrer. Desde então eu flerto com ela também. Hades, Anúbis, Hécate, Kali, Perséfone, Thanatos (personificação da morte), Saturno... estes são alguns dos deuses relacionados à morte e submundo, os mais conhecidos. Existem muito mais além desses. Saturno é Cronos, o tempo. Implacável, tudo destrói. É regente dos sábados e foi esse o dia escolhido para conectar com o lado obscuro da magia.

Magia negra é popularmente vista como o tipo de magia que visa causar o mal e realizar desejos egoístas (ok, me diz qual desejo não é egoísta, mesmo que profundamente?), mas isso é fruto da demonização que até hoje se faz dos assuntos ocultos. Quando falo em magia negra, estou me referindo à uma das formas mágicas presentes dentre as cores da magia do caos. Ela não é boa nem ruim, é uma energia com qualidades específicas que podem ser utilizadas pra determinadas intenções. O que esses deuses tem a ver com isso? Magia negra está relacionada com a morte e a destruição tanto quanto eles, chamados deuses negros. O que é morte, o que é destruição? Ambas são processos naturais e necessários. A vida é igualmente construtiva e destrutiva, ao mesmo tempo que nos preservamos com alimentos e segurança, nossas células vão apodrecendo num processo lento, frio e calculista como Saturno. Na psicanálise, essa correlação é demonstrada no conceito de pulsão de vida e pulsão de morte, Eros e Thanatos.

Esses aspectos não necessáriamente se manifestam num nível físico como a morte do corpo ou apodrecimento de uma fruta. O arcano da Morte no tarot representa, principalmente, uma transformação. Todos os dias nascemos e morremos em nossas ideias, nos diversos ciclos da natureza. As mulheres tem uma relação direta com esse processo através do ciclo menstrual. O processo de envelhecimento, a decadência e o conceito de entropia são domínio da magia negra. Ela possui aplicação em magias destrutivas, necromancia (adivinhação através da comunicação com desencarnados), proteção e preparação para a morte, através da gnose da Morte. Sobre entropia, é um tema que ainda quero estudar a fundo para elaborar minhas próprias considerações. Abaixo um pequeno trecho sobre o assunto, do site Só Física, leia completo aqui. "Em termodinâmica, entropia é a medida de desordem das partículas em um sistema físico. Comparando este conceito ao cotidiano, podemos pensar que, uma pessoa ao iniciar uma atividade tem seus objetos organizados, e a medida que ela vai os utilizando e desenvolvendo suas atividades, seus objetos tendem a ficar cada vez mais desorganizados." Fazendo uma relação com o processo de morte e destruição, é parte da natureza dos sistemas físicos a degradação até a inutilização, ou seja, até um estado de desordem. A parte utilizável restante, se existir, poderá então ser transformada em algo novo, após a liberação do que já não servia mais ao sistema.

A Descida: Minha iniciação sombria veio com a descida à Cidade Negra, uma cidade subterrânea, assim como na história de Perséfone, Rainha do Submundo. O submundo é conhecido por representar também o inconsciente, pois está oculto. Uma sombra se projetou no chão em forma de silhueta e um buraco se abriu, revelando uma passagem de escadas.

O clima la é bem frio e úmido. O fogo de lá é altamente inflamável. Cai numa espécie de saguão escuro. Lá eu encontrei parentes já falecidos e ancestrais que me conduziram à uma sala com pessoas de capuz, nem tive muito tempo de explorar o lugar, mas percebi uma característica etérea representada pela névoa acinzentada, algo parecido com Silent Hill. Pela janela da sala eu pude ver um cemitério do lado de fora, eles logo fecharam a cortina mas eu já havia visto. Pareciam fazer parte de uma seita secreta. Eles me rodearam entoando:

"Debaixo da terra está A desordem natural Morte e Vida são a mesma Reconheça ambas as faces

Celebre a sua vida Comendo o fruto da morte Vida e Morte são a mesma Compreenda e transcenda"

Me explicaram que a partir daquele momento eu não poderia mais desistir. Eu iria vivenciar uma simulação de morte com o objetivo de me familiarizar com a energia negra. Fui levada à frente de um caixão aberto.

Me ensinaram a postura de morte para ser usada como preparação. A Postura de Morte é uma técnica inibitória criada por Austin Osman Spare, utilizada para se atingir gnose, o estado alterado de consciência onde grande parte da magia acontece. Costuma ser utilizada na magia do caos para o lançamento de sigilos. Um deles disse:

"De pé, braços cruzados atrás das costas e corpo arqueado desconfortávelmente. A intenção é provocar um desmaio ou o mais próximo disso através da tensão muscular e dificuldade respiratória. Quando estiver no limite apenas se jogue para dentro do caixão (era revestido de um material fofinho então não ia machucar). Nós vamos te fechar lá dentro e você deverá ficar o máximo que aguentar, quando quiser sair toque o sino. Você tem que ficar um tempo mínimo pra ser aprovada, mas não diremos qual é." Em nenhum momento minha vida foi colocada em risco. Depois descobri que eles não trancaram o caixão de verdade, imagina se algo acontece na hora de abrir? Apenas sentaram em cima e ficaram conversando e comendo petiscos.

Lá dentro eu fiquei sozinha comigo mesma numa completa escuridão. Coisas que nunca haviam passado pela minha mente vieram à tona, coisas que não posso comentar. No início foi fácil apesar do desconforto, minha habilidade com meditação foi o que me ajudou a abstrair. Eu me pergunto o que aconteceria se eu tivesse dormido ali. Provavelmente teria um pesadelo e acordaria sufocando e debatendo para que a tampa se abrisse. Estava começando a ficar nervosa quando ouvi a voz de "O". Ele não tinha se manifestado diretamente nas últimas experiências, apenas me acompanhava e observava de longe, com sua lamparina acesa flutuando. Mesmo assim eu não tinha dificuldade em compreender o que estava acontecendo, essa jornada mágica.

"Enquanto houver ar pra respirar e energia vibrando em seu corpo, nenhuma escuridão se apossará da sua mente, mas tu irá se apossar da escuridão e nela criar um novo ambiente"

Estava ficando quente e sufocante, mas eu queria resistir ao máximo. Refleti nas palavras de "O.". Cogitei tocar o sino, apreensiva. E se aquilo não fosse suficiente, seria tudo em vão? Aguardei mais um pouco, enquanto isso comecei a visualizar um lindo lugar, cheio de flores coloridas, música e vinho, eu dançava e cantava feliz. A ideia de morte me assustou e a vida eterna mais ainda. Não deu mais, o instinto humano gritou e toquei o sino. Ao sair estava desnorteada, não sei quanto tempo passou, parece ter sido mais do que eu pensei que suportaria. Só havia uma pessoa na sala. Era a Morte, ela me esperava. Se aproximou em silêncio, gelada tocou minhas mãos com seus ossos delicados. Colocou o chamado anel de Saturno em minhas mãos e pronunciou: "Em domínio da Vida Eu estou em tuas mãos Quando em minhas mãos estiver Serei paz em teu coração Sou suave

Imperceptível

Fria, lenta e calculista

Sou a fúria

Indomável Terrorista e destrutiva Escolha com sabedoria" Eu acordei já na minha cama. Demorou um tempo até eu retomar a consciência por completo. Precisaria de um bom banimento pra dissipar a densidade energética e um momento de introspecção pra digerir os acontecimentos.

Alguns trechos foram inspirados no texto sobre magia negra da Penumbra Livros, leia completo aqui. Para ler mais sobre Postura de Morte, esse texto da Penumbra também faz uma explicação: aqui. (eu acrescentei a técnica nesse conto de magia negra pela correspondência simbólica representativa da morte somente, é minha adaptação! Não li em lugar algum que a Postura de Morte tem qualquer relação com a Magia de Morte, se você sabe mais a respeito, comentários são bem vindos!)


© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social