A origem do Dia Dos Namorados pela Lupercalia

Este texto foi publicado primeiro em inglês por Mike Sagginario [IRMINFOLK] e traduzido por Lua Valentia

Lupercalia é uma celebração exclusivamente romana que ocorria no dia 15 de fevereiro e suas origens remontam aos dias de Romulus, quando Roma não passava de alguns pastores que viviam em uma colina conhecida como Palantina, cercada por um deserto repleto de lobos. Faunus Lupercus, protetor de rebanhos contra lobos, provavelmente é o deus que está sendo honrado. A palavra lúpus é latim para lobo, ou talvez Faunus, o deus da agricultura e dos pastores. Outros sugerem que era Rumina, a deusa cujo templo ficava perto da figueira sob a qual a loba chupava Romulus e Remus.


Segundo a lenda, a história de Romulus e Remus começa com seu avô Numitor, rei da antiga cidade italiana de Alba Longa. Ele foi deposto por seu irmão Amulius. A filha de Numitor, Rhea Silvia, foi feita Virgem Vestal por Amulius e proibida de se casar, pois seus filhos seriam herdeiros legítimos do trono. Marte se apaixonou por ela e ela deu à luz filhos gêmeos. Temendo que os meninos crescessem e busquem vingança, Amulius os colocou em uma cesta e jogados nas águas geladas e inundadas do rio Tibre. Quando as águas recuaram, a cesta chegou à costa no Monte Palantine. Eles foram encontrados por uma loba que, em vez de matá-los, os nutriu com seu leite.


Os gêmeos foram encontrados pelo pastor do rei, Faustulus, e ele e sua esposa os acolheram, nomeando-os de Romulus e Remus. Eles cresceram para serem jovens corajosos e fortes e, eventualmente, lideraram um bando de pastores em um levante contra Amulius, matando-o e restaurando o reino por direito ao avô.


Decidindo fundar uma cidade própria, Romulus e Remus escolheram o local sagrado onde a loba os cuidara. Romulus começou a construir muros no Monte Palatino, mas Remus riu porque eram muito baixos. Remus zombou deles e, em um acesso de raiva, Romulus matou seu irmão. Romulus continuou a construção da nova cidade, nomeando-a Roma depois de si mesmo.


Desde fevereiro ocorreu mais tarde no antigo calendário romano do que hoje, Lupercalia foi realizada na primavera como um festival de purificação e fertilidade. Todos os anos, em 15 de fevereiro, os padres de Luperci se reuniam no monte Palantine, na caverna de Lupercal, a cova redescoberta em que os meninos eram criados. As virgens vestais trouxeram bolos sagrados feitos das primeiras espigas da colheita de grãos do ano passado à figueira. Dois rapazes nus, assistidos pelas vestais, sacrificaram um cachorro e uma cabra no local. O sangue é manchado na testa dos jovens e depois limpo com lã embebida em leite.


Os jovens vestiram tanga feita com a pele da cabra e levaram grupos de sacerdotes ao redor do pomarium, o limite sagrado da cidade antiga e ao redor da base das colinas de Roma. A ocasião era feliz e festiva. Enquanto percorriam a cidade, os jovens atingiam levemente as mulheres ao longo do caminho com tiras de pele de cabra. É a partir desses instrumentos de purificação, ou februa, que o mês de fevereiro recebe seu nome. Este ato supostamente forneceu purificação de maldições, má sorte e infertilidade.


O festival de Lupercalia viveu muito tempo depois que o Monte Palentino se tornou a sede de Roma. Os exércitos romanos levaram consigo os costumes da Lupercalia quando invadiram a França e a Grã-Bretanha. Uma delas era uma loteria onde os nomes das donzelas disponíveis eram colocados em uma caixa e sorteados pelos rapazes. Cada homem aceitava a garota cujo nome ele chamava de amor - pela duração do festival, ou às vezes por mais tempo.


Quando o cristianismo começou a desmantelar sistematicamente os panteões pagãos, frequentemente substituía os festivais dos deuses pagãos por celebrações mais ecumênicas. Era mais fácil converter a população local se eles pudessem continuar a comemorar nos mesmos dias ... eles seriam instruídos a celebrar pessoas e ideologias diferentes.


Lupercalia, com sua loteria para amantes, não tinha lugar na nova ordem cristã. No ano 496 dC, o papa Gelasius acabou com o festival de Lupercalia, alegando que era pagão e imoral. Ele escolheu Valentine como o santo padroeiro dos amantes, que seria homenageado no novo festival no dia 14 de fevereiro. A igreja decidiu criar sua própria loteria e, portanto, a festa de São Valentim contou com uma loteria dos santos. Alguém tiraria o nome de um santo de uma caixa e, no ano seguinte, estudaria e tentaria imitar esse santo.


A Festa de São Valentim e a loteria dos santos duraram algumas centenas de anos, mas a igreja simplesmente não conseguiu tirar a memória das pessoas da Lupercalia. Dois séculos depois, as cerimônias pagãs estavam recuperando seu favor e ecos das celebrações de Lupercalia puderam ser encontrados em todo o que havia sido o império romano, as Ilhas Britânicas, a França e a região do Mediterrâneo.


Com o tempo, a igreja desistiu de Valentine. As igrejas protestantes não reconhecem os santos, e poucas igrejas católicas optam por celebrar ou observar a vida de São Valentim no 'domingo dos namorados'.


A loteria finalmente retornou ao acoplamento de solteiros elegíveis no século XV. Essa união variou em sua natureza, dependendo do país e cada uma tinha maneiras tradicionais pelas quais os casais podiam expressar o relacionamento, e esses costumes pagãos ainda eram comuns nos anos 1400 e até nos 1500.


Durante os dias medievais da cavalaria, a loteria dos solteiros era muito popular. Os nomes de donzelas e solteirões ingleses foram colocados em uma caixa e desenhados em pares. O casal trocava presentes e a garota se tornava a namorada do homem por um ano. Ele usava o nome dela na manga e era seu dever limitado atender e protegê-la. O costume antigo de desenhar nomes em 14 de fevereiro era considerado um bom presságio para o amor, embora, sem dúvida, você poderia dizer que os primeiros cartões de dia dos namorados eram as tiras de papel com nomes de donzelas que os primeiros romanos desenhavam.

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social