Como criar um Shoggoth (Tulpa)

Escrito por PARKER RYAN

Traduzido por Lua Valentia


Nota da tradutora: este ritual é extremamente perigoso e pode levar à morte do praticante. Este ritual é considerado de Magia Avançada.

De acordo com HPL (Howard Phillips Lovecraft), os Shoggoths eram (originalmente) criaturas irracionais criadas como servos/escravos pelos Grandes Antigos. Eles podem assumir qualquer forma seu mestre desejava para realizar sua tarefa. Shoggoths são indisciplinados servos se tornando mais inteligentes e rebeldes quanto mais o tempo passa. Eventualmente, eles podem tentar destruir (matar) seus mestres. HPL também escreveu que Shoggoths às vezes são vistos em visões de plantas alucinógenas.


Tradições mágickas de todo o mundo contêm fórmulas para criar criaturas mágickas como escravos/servos. Essas criaturas podem ser criadas em qualquer forma necessária ou desejada pelo mago. Estas criaturas mágickas são chamadas de "Tulpas" ou "formas-pensamento" pelos tibetanos.


Nota da tradutora: No Sistema Specular, nós marcamos bem a diferença entre Tulpas, Formas-pensamento e Servidores. Tulpas são seres que perdem o controle e podem se tornar violentos. Formas-pensamentos são quaisquer tipos de seres criados por magistas. Servidores são seres bem-controlados e sempre "atualizados" por magistas.


Em "Mistério e Magia no Tibete" Alexandra David-Neal conta como ela criou tal Tulpa como um experimento. A Tulpa tornou-se cada vez mais independente e problemática com o passar do tempo. Eventualmente, a Sra. David-Neal teve que interromper o experimento por causa do poder crescente de Tulpa.


Sr. G.H. Estabrooks em seu livro "Hypnotism" escreve sobre suas tentativas de criar um urso polar de estimação auto-hipnótico. "A técnica de autossugestão é difícil, mas pode ser dominada. Uma vez que o assunto tenha obtido este domínio, ele descobre que não só pode produzir, digamos, alucinações em o transe em si, mas pode realmente sugerir alucinações pós hipnóticas para ele mesmo. Parece estranho, mas pode ser feito...


Sugestão automática nos dá um excelente meio para estudar muitas coisas estranhas. O

escritor tinha um urso polar "de estimação" que ele era capaz de chamar apenas de

contando até cinco. Este animal desfilava pela enfermaria do hospital em

forma mais convincente, por cima e debaixo das camas, beijava as enfermeiras e mordia

os médicos. Foi muito curioso notar o quão obediente ele era para

comandos "mentais", até mesmo pular de uma janela de três andares sob demanda.


Mas a autossugestão criou uma certa ameaça bem como este urso fantasma demonstrou. Ele se tornou tão familiar que se recusou a ir embora. Ele aparecia nos lugares mais inesperados e sem ser chamado. O escritor estava jogando bridge uma noite e quase gerou uma reação histérica aos anfitriões ao comentar de repente: "Lá está aquele urso maldito de novo. Eu gostaria que alguém atirasse na besta." Ele também tinha o péssimo hábito de aparecer em cantos escuros à noite, tudo muito bem quando se percebia que estava apenas feito de material fantasma, mas mesmo assim é algo bastante duro para os nervos.


Então ele foi banido para nunca mais voltar. Passou-se um mês inteiro antes do

escritor ter certeza de que sua forma fantasmagórica não estaria sorrindo para ele

sobre o pé de sua cama durante uma tempestade.


Os escritos mágickos e xamânicos do mundo também registram a maneira pela qual entidades criadas magickamente podem se tornar independentes e problemáticas. Às vezes até perigosamente rebeldes.


Budistas tibetanos e xamãs de todo o mundo dizem que essas "formas-pensamento" ou

criaturas mágickas podem ser vistas quando no estado gnóstico causado por

plantas enteogênicas. Assim, podemos ver que essas Tulpas (às vezes chamados

egrégoras nas tradições ocidentais) estão intimamente relacionadas aos Shoggoths de HPL.


Tanto Shoggoths quanto Tulpas são entidades criadas. Ambos são servos ou

escravos e podem assumir qualquer forma exigida por seus senhores. Ambos podem

tornar-se rebelde. Shoggoths, bem como Tulpas, às vezes são vistos após

ingestão de plantas enteogênicas. Portanto, acho que há uma grande

ligação entre os Shoggoths de HPL e as entidades forma-pensamento da Magia e

Xamanismo.


Criando um Shoggoth


Nesta seção, veremos algumas considerações práticas relacionadas à criação um Shoggoth (entidade forma-pensamento). Há muitas técnicas para criar formas-pensamento ao longo da história da magia e do xamanismo. Devemos considerar qual dessas inúmeras técnicas é mais

apropriada para criar magicamente um Shoggoth Lovecraftiano.


A palavra Shoggoth é, de acordo com Kenneth Grant, relacionada à palavra "shaggathai" dos caldeus . Shaggathai se traduz como "fornicação" e fornece uma pista significativa sobre qual metodologia deve ser empregada. "Beth Shaggathai "que significa" Casa da Fornicação "pode ​​estar relacionado a ou mesmo um progenitor do "Pit of Shoggoths" de HPL. A ideia de uma ligação entre "Shaggathai" (fornicação) e Shoggoth não é tão estranho quanto poderia

primeiro parece. O uso de energia sexual na criação de entidades em forma de pensamento é

uma técnica particularmente antiga e poderosa.


Esta técnica é particularmente adequada para criar entidades violentas, poderosas e imprevisíveis, como Shoggoths. Na verdade, fenômenos poltergeist são quase sem falha associada a crianças púberes. A revolta e a liberação dinâmica de energia sexual na puberdade pode, especialmente na pessoa emocionalmente perturbada ou reprimida, resulta em um "poltergeist".


Assim pode parecer que as técnicas que usam energia sexual são, talvez, as mais adequadas para a criação de um Shoggoth. A técnica clássica envolve direta manipulação dos fluidos sexuais para criar a entidade forma-pensamento. A descrição de um Shoggoth por HPL sem forma como uma massa viscosa de protoplasma parece uma reminiscência desta técnica. Algumas das fórmulas para criar um Homunculus são formas particularmente potentes desta metodologia.


Uma receita medieval para fazer um homúnculo era colocar estrume em um recipiente para

o qual o mago adicionaria seu esperma três vezes acompanhado com fórmulas de palavras e visualizações apropriadas. Este processo iniciaria a existência da entidade.


Em seguida, o mago colocaria gotas de seu próprio sangue no recipiente a cada dia por quarenta dias. No final desses quarenta dias, o homúnculo estaria maduro e teria permissão para sair do recipiente. Esta técnica é particularmente poderosa e perigosa por causa do uso de sangue. O

mago deve sempre usar apenas seu próprio sangue. Isso ocorre porque o sangue de

outros podem ser muito difíceis de controlar.


No entanto, esta técnica ainda é perigosa e difícil de controlar, mesmo com o próprio sangue. A energia de escape do sangue pode ser manipulada diretamente para encarnar a entidade. De fato, HPL em "The Dunwich Horror" diz que certas entidades "não pode tomar corpo sem sangue humano." O uso do próprio sangue é uma técnica perigosa que não deve ser tentada por novatos. A fórmula para criar um Homúnculo será adaptada abaixo como um método para gerar um Shoggoth.


O ritual


Você deve primeiro decidir a função que o Shoggoth irá cumprir. Uma vez que você determinar qual será a tarefa do Shoggoth, você deve criar um sigilo que representa este propósito.


Prepare um recipiente com o Sigilo dos Antigos do lado de fora da tampa e o talismã de Yhe na superfície interna da tampa. Coloque o sigilo na superfície inferior do recipiente.


Sigilo dos Antigos




Você deve escolher uma forma para o Shoggoth assumir que é consistente com sua tarefa e com a natureza dos Shoggoths em geral. (As obras de H. R. Giger são uma boa fonte para imagens.)


Coloque o recipiente em um altar dedicado a Shub-Niggurath. (Shub-Niggurath é escolhido por causa da associação da Cabra Negra com fertilidade, criando assim uma nova vida.) O espaço de trabalho também deve ser configurar com as cores (preto e marrom), símbolos (cabra, árvore, pentagrama inverso, etc.) e sons (uma gravação de um latido de cabra e percussão funcionam muito bem), etc., associado a Shub-Niggurath.


O mago começa o Rito assim:


De frente para o altar, ele pega sua adaga e inscreve seu círculo (normalmente um círculo mágico não é usado na magia orientada por Cthulhu. No entanto, no rito devemos nos esforçar para manter quaisquer influências indesejadas de removendo energia do Shoggoth ou influenciando a direção do rito)

Ele então devolve a adaga ao seu lugar no altar. Ele olha para a representação física de Shub-Niggurath e declara:


"Shub-Niggurath é o Senhor da Floresta. Das Fontes da Noite à

Golfos do Espaço, e dos Golfos do Espaço aos Poços da Noite, sempre

dizendo os louvores do Grande Cthulhu, de Tsathogguau e Aquele que não será

Nomeado. Sempre seus elogios e abundância à Cabra Negra da Floresta.

I a! Shub-Niggurath! A Cabra Negra com Mil Filhotes! "


"Shub-Niggurath, Grande Senhor da Floresta, doador da Vida, conceda a sua

produtividade para este rito. Verifique sua fertilidade. Os presságios de seu

fecundidade se regozijam. Sempre elogio Shub-Niggurath, a Cabra Negra de

o bosque. I a! Shub-Niggurath. "


O mago agora remove suas vestes (pretas) e abre o recipiente e começa a se estimular ao enfrentar o sigilo do Shoggoth. Ele deve visualizar cuidadosamente a forma escolhida para o Shoggoth no recipiente. Conforme a energia aumenta, ele deve visualizar a energia entrando

o Shoggoth o vivificando. Respiração excessiva deliberada pode ser usada para fortalecer a energia do rito. Como o ponto do orgasmo se aproxima, o mágico invoca:


"(Nome escolhido para o Shoggoth)! Venha!"


Quando ele chega ao clímax, ele deve permitir que sua mente seja dominada pelo sensações, eliminando completamente (quanto possível) o pensamento consciente. No este estado de mente vazio, o Sigilo (que o mago deveria estar olhando para) é o foco inconsciente e direciona a energia. O mago permite seus fluidos sexuais aterrissem no Sigilo, energizando-o e encarnando o Shoggoth.


Depois disso, o recipiente é fechado e o mágico diz:


"Obrigado e (faça elogios) a Shub-Niggurath, A Cabra Negra."


"Ia! Shub-Niggurath"


Ele então faz o Sinal de Koth seguido pelo Sinal Antigo. Ele então

fecha esta parte do rito em sua maneira costumeira.



(Os sinais descritos são dos dois últimos)


O processo acima deve ser repetido três vezes em três dias (pode ou não ser consecutivo). A próxima etapa do rito é "alimentar" o Shoggoth. Novamente, um círculo mágico é aconselhável. O mago deve entrar qualquer forma de gnose excitatória que ele considere adequada. Em seguida, o mago abre o recipiente com a mão esquerda e faz o sinal mais antigo com a sua

mão direita. Ele então pega sua adaga e puxa uma pequena quantidade de

sangue. Conforme o sangue cai sobre o Sigilo, ele invoca:


"(Nome do Shoggoth) !, ordeno que se alimente e cresça poderoso para que você

pode servir a minha vontade! "

"Eu ordeno que você se alimente e cresça poderoso para que possa servir à minha vontade!"

"Eu ordeno que você se alimente e cresça poderoso para que possa servir à minha vontade!"

"(Nome)! Beba meu sangue e ganhe corpo!"


Ao fazer isso, ele visualiza MUITO INTENSAMENTE a forma do Shoggoth. E se ele deseja poder visualizar o Shoggoth crescendo ligeiramente. "Imaginar" a forma do Shoggoth é claramente MUITO importante para o sucesso deste rito.


Cada vez que isso é repetido, a imagem do Shoggoth deve se tornar mais e mais clara e independente. Conforme os dias passam, o Shoggoth deve parecer aparecer assim que o recipiente for aberto antes mesmo do mago tenta visualizá-lo. Este processo é repetido todos os dias por mais 37 dias. Todo o rito leva quarenta dias para ser concluído. No último dia, após "alimentá-lo", o mago comanda o Shoggoth assim:


"(Nome) !, ordeno-lhe que saia do seu receptáculo. Entre no mundo e

execute sua tarefa como eu quero. Vá em frente e (indique a tarefa atribuída ao

Shoggoth). ASSIM EU ORDENO! "


Ele então faz o sinal de Voorish e destrói o talismã de Yhe e o Sigilo dos Anciãos na tampa do recipiente. Se a função do Shoggoth é bastante permanente (ou seja, um guardião de um local ou objeto) o Shoggoth pode precisar de "recarga" periódica. Isso pode ser feito com qualquer

energia sexual ou qualquer outro método de transmitir energia mágicka ao mago considerar adequado.


O Shoggoth poderá ser MUITO poderoso em termos de entidades em forma de pensamento. Isto

também deve ser (ou tornar-se rapidamente) bastante independente e capaz de ação autônoma. Com a continuação da existência e uso, o Shoggoth irá desenvolver sua própria "personalidade" e pode se tornar problemáticas. Se o Shoggoth se torna rebelde, pode ser necessário para o mago destruir o Shoggoth. Um banimento padrão, mas completo, e a destruição do Sigilo deve ser suficiente.


Quaisquer comentários ou sugestões são bem-vindos.


Este rito não deve ser tentado por novatos!

Posts recentes

Ver tudo

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social