Eu estive dentro de um Vórtex

Em um ritual coletivo com os estudantes do caos, após o banimento inicial (Banimento da IOT) , acessamos o Vórtice e Thanáteros através da criação de uma enorme estrela do caos que girava incessantemente.

Preparei previamente sigilos contendo meus planos de riqueza, prosperidade e poder que após serem ativados em gnose foram lançados para dentro do Vórtex. A temperatura do ambiente subia consideravelmente, tomada pela curiosidade (minha amiga inseparável em rituais) resolvi olhar mais de perto aquele abismo, a fenda tinha 2 metros de altura, passei a cabeça, inclinei-me olhando para ambos os lados como quem fosse atravessar a rua e pude observar que não era um buraco, era um corredor. Quanto a cor, havia nuances de espaço sideral, não tinha começo, nem fim, mas definitivamente era um caminho.

Foquei em meus sigilos que brilhavam, flutuavam e destilavam uma energia que impregnava a escuridão. Meus desejos se derramaram de tal forma que, como por osmose, lá estava eu, dentro do Vórtex olhando o mundo físico pela fenda, do lado de fora estava meu quarto, minha família adormecida, meu agora.

À vontade com a situação e excitada pelo desconhecido, segui meu espírito aventureiro e concentrei-me para abrir os olhos astrais e iluminar ao meu redor e pasmem, outra fenda se abriu em formato de porta, uma porta branca escancarada que me permitia identificar oque ela escondia. Lá estavam meus sigilos materializados, móveis, jóias, a chave do carro, tudo ao vivo e a cores, tomada pelo gozo da vitória sentei em meu divã e alcancei o iphone na escrivaninha. Pronto! Lá estava eu posicionada exatamente como a foto que eu imprimia todas as noite no subconsciente, finalmente materializei minha legítima vontade.

Cogitei ficar ali para sempre, ali não havia incertezas, medo, ansiedade, nem expectativas, ali era o ponto final.

De repente notei algo importante, a magia não estava ali, a sensação de estar constantemente em dois mundos desapareceu, a intuição que sempre formigava atrás dos meus olhos, não formigava mais, a magia ficou no mundo real.

Em um pulo fiquei de pé, agora meu desejo era ir embora o mais rápido possível. Por amor a magia decidi voltar, por amor e pela sensação de poder que a magia me traz, por ego, resolvi que fazer magia era oque saciava minha sede de prazeres.

Saí daquela dimensão cambaleando em direção ao Vórtex e procurei a fenda para o mundo material, mas não encontrava, então decidi anunciar aos participantes do ritual que eu estava dentro do Vórtice de Thanáteros e não localizava a saída. Com as pupilas dilatadas e um frio na espinha ouvi a voz dela, da Rainha das trevas Lua Valêntia, ela me conduziu pela mão, narrando através do áudio do computador o caminho para a realidade, antes que o ritual acabasse fechando o Vórtice comigo dentro.

Meus caros, dentro do portal meus sigilos tornaram-se coordenadas, isso é fato, mais o ponto alto dessa experiência são as incógnitas que surgiram em minha mente:

- Será que um dos motivos da loucura mental que estão sujeitos os magos tem como diagnóstico estar com suas mentes presas em uma dimensão onde seu sonho é real? Motivo pelo qual recuzam-se a voltar a falída realidade? Acessando a "loucura/dimensão" do mago, lançando dentro de um Vórtex sigilos que representam essa loucura/dimensão é possível localizar a mente do mago e trazê-la de volta a sanidade?

- Será possível, por via do Vórtex acessar dimensões onde outras Lunas Leonas estão sofrendo física, psicológica, socialmente... e deixar instruções mágicas para libertá-las?


Ciente de que a Luna do futuro tem todas as respostas as minhas incógnitas, irei encontrar uma mensagem dela por aqui, afinal, se ela é o que almejo me tornar, ela já fez o que almejo fazer.


Por Luna Leona.





© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social