HEL – A deusa Nórdica do Submundo




A deusa Hel (ou Hela) é a deusa dos mortos do panteão nórdico.

A morte era uma questão muito natural para os antigos povos germânicos, eles entendiam que assim como nascer e crescer, a morte faz parte do ciclo da vida e não há um sem o outro.

Estes povos eram muito apegados ao culto aos ancestrais e tratavam seus falecidos com honra. Aqueles que morriam em batalha eram levados pelas Valkirias e divididos entre a deusa Freya em seu palácio Fólkvangr; e entre o deus Odin em seu palácio Valhala.


E aqueles que morriam de velhice ou doença, iam para Elvidner, o salão de Hel em Helheim. Um lugar belo, porem frio e sombrio. Com diversos salões onde em alguns os mortos que tiveram uma vida digna eram tratados e cuidados, enquanto os mortos que tiveram vidas indignas e criminosa, eram punidos com serpentes e vapores tóxicos.

Helheim simboliza a parte profunda do inconsciente, a sombra, a sede dos conflitos, dos traumas e das fobias.


E a rainha é Hel.


Filha de Loki com a giganta Angurboda. Sua aparência representa a dualidade da vida e da morte, sendo metade de seu corpo belo e jovem e a outra metade putrefata de um cadáver.

Ela representa a lua negra, a face escura da deusa, o lado terrível e sombrio da mãe; no entanto não é boa nem má, é uma divindade neutra e justa. Ela colhe, protege e nutre as sementes (almas) para que possam se regenerar. E seu poder em Helheim é absoluto, sendo que nenhum outro deus, nem mesmo Odin, pode desafia-la em seu reino.


Quando criança ela foi levada por Odin para Niflheim, o mundo do frio, da névoa e da neve, semelhante ao limbo, após as Nornas profetizarem que ela, junto aos irmãos, o lobo Fenrir e a serpente gigante Jormungand, trariam o fim do mundo no Ragnarok.

Assim Hel cresceu e tornou-se a deusa do submundo.

Os poemas escandinavos Sonatorrek (Meus filhos mortos), Baldrs draumar (Os Sonhos de Balder), Gromnismál (Os ditos de Grímnir), e o Edda Poética Völuspá (Visões da advinha), entre outros, fazem menção a Hel e seu reino.


Em Os ditos de Grímnir o verso 32 diz

Três raízes ficam em três direções debaixo do freixo Yggdrasill; Hęl vive em baixo de uma, os gigantes de gelo em outra, os seres humanos em uma terceira

No Voluspa que fala sobre a destruição do mundo, o verso 51 diz

Sobre o mar do Leste lá navega um navio. Com o povo de Hel, ao leme está Loki. Após o lobo que os homens selvagens seguem. E com eles, Loki vai

*O navio de Hel é um navio feito de unhas e dentes construído pelos condenados para fugir de Helheim durante o Ragnarok.


Ficha da Deusa

Planeta: Saturno

Dia da semana: Sábado.

Elementos: terra, lama, gelo.

Animais: corvo, égua preta, pássaro vermelho, cão, serpente.

Cores: preto, branco, cinza, vermelho.

Árvores: azevinho, amoreira preta, teixo.

Plantas: cogumelos sagrados, meimendro, mandrágora.

Pedras: ônix, azeviche, quartzo esfumaçado, fósseis.

Símbolos: foice, caldeirão, ponte, portal, espiral de nove voltas, ossos, morte e transformação,a lua negra e nova.

Runas: wunjo, hagalaz, nauthiz, isa, eihwaz.

Palavras-chave: desapego, libertação, renascimento.


Rituais:

  • Último rito de passagem (morte, vigília, funerais)

  • Auxílio nas doenças

  • Despedidas, perdas, finalizações

  • Lua negra

  • Culto dos ancestrais

  • Viagens xamânicas para o “mundo subterrâneo”

  • Trabalhos mágicos com a sombra

  • Terapia de regressão de memória

  • Transe oracular

  • Necromancia

© 2020

Arte, Magia & Liberdade 

Criado por Lua Valentia 

  • clube de autores
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social