Circe

29/12/2017

 

Entre as deidades que mais considero misteriosas e interessantes, que mais desperta em mim um sentido profundo de magia e que emerge das profundezas de meu interior nas Balsâmicas Luas Negras, é o Arquétipo de Circe, a feiticeira da ilha de Ea (prantear), onde se localizava seu palácio encantado, cercado de Leões, Lobos, Tigres e Feras que mais tarde, em sua mitologia, descobrimos ser homens transformados em animais selvagens, e que obedeciam as ordens da feiticeira.

 

Circe ilustra perfeitamente o arquétipo da Bruxa, realizava Feitiços, Poções, controlava o destino através de suas tranças,  fazia o dia virar noite, dotada do mais puro poder de alquimia, de criar e dissolver, trazer a vida e a morte. Podemos ver que o ponto central de seu mito, gira em torno do seu poder de transmutação.

 

Circe inicialmente ofereceu um enorme banquete para a tripulação de Ulisses\Odisseu, e depois ofereceu-lhes uma bebida inebriante que era essencial para distorcer os sentidos dos homens, trazendo a tona aquilo que estava dentro de cada um. O que Circe faz, é apenas transmutar e assumir de vez a condição animalesca que cada um possuía dentro de si, mostrando a aparência de porcos,  mas mantendo suas consciências ainda humanas. 

Um dos tripulantes, que desconfiou desde o princípio das façanhas de Circe, retorna para o Barco e explica tudo a Ulisses, que decide ir salvar seus amigos das garras da feiticeira. No meio do caminho então, Hermes, o mensageiro, alerta-lhe do perigo no qual ele estava se metendo, mas também o favorece explicando como proceder, oferecendo-lhe uma planta chamada Moly (um tipo de Alho) que tem capacidade de proteger quem a comesse dos encantos de Circe.

 

Preparado, Ulisses se dirige até o palácio e encara a bruxa, que logo lhe oferece cinicamente uma bebida em um cálice. Ulisses bebe a mistura porém nada acontece, pois havia consumido a erva que Hermes lhe indicou, e quando Circe usa de sua baqueta para transformá-lo, o Herói retira sua espada e subjuga Circe, que espantada por sua magia não ter dado certo, oferece a libertação de seus companheiros e até mesmo sua cama. 

 

 

Claro que, a história toda ilustra uma realidade simbológica. Circe é o arquétipo do nosso inconsciente, como mente fértil capaz de tudo criar, e como lidamos com esse inconsciente,  como este nos afeta fortemente! As Noites de Ulisses e Circe simboliza o casamento e relacionamento intenso e harmonioso entre nosso consciente e o nosso inconsciente. Quando entendemos que possuímos uma parte de nossa própria mente que não percebemos facilmente mas que nos afeta de dentro para fora, logo entendemos que saber cultivar bem o seu relacionamento com o inconsciente, irá lhe dar muito poder de criação e destruição. Isso ocorre de maneira natural e inerente a todo ser humano, nossas crenças limitantes criam raízes no inconsciente e são capazes de nos destruir, assim como podemos plantar uma boa semente e aproveitar do poder dessa parte misteriosa do cérebro, usando-a a nosso favor, criando e programando nossa realidade.

 

Porém, há também uma direção a ser tomada, pois o uso egoico e instintivo indica magia negra, enquanto a magia branca, liberta o ser humano dessa condição animalesca e instintiva. Vemos ambos tipos de magia serem representados por Circe e Ulisses respectivamente. 

De qualquer forma, trabalhar com meditação, visualização, auto-hipnose ou qualquer coisa que potencialize o poder mental a seu favor, é uma forma de realizar a mais pura magia, aquela que vem de dentro, do casamento do Sol com a Lua, do consciente com o inconsciente, do masculino junto com o feminino, o sexo sagrado do Deus e da Deusa interior, Anima e Animus. Não é a toa que Circe em uma de suas versões, é Filha de Hécate, como divindade tríplice Lunar, com Hélios, Divindade Solar. Astronomicamente falando, uma Lua Nova ocorre quando há a conjução\união da Lua com o Sol, sendo o ápice dessa união, quando ambos estão a exatos 0º. de distância, e que em determinados pontos do planeta, forma um eclipse.

 

Em uma linguagem mais ritualística, cultuamos Circe na passagem da Lua Negra para a Nova, podemos montar um grande altar para encarar nossa Sombra nos períodos finais da Lua minguante, e quando partirmos para a prática, para a confecção de poções, elixires, manipulação de ervas, espelhos, cristais, faça isso sob a egrégora de Circe, entendendo-a como a personificação do seu prpóprio inconsciente, que lhe trará a intuição, a instrução, o poder de criação e destruição, como uma fada madrinha mais sombria e séria em seu ofício, possui a magia negra e a branca em suas mãos , sendo capaz de ambas. 

Lembrando que as Luas Novas são excelentes para plantarmos sementes no solo fértil da nossa mente! Então darei ênfase na prática de criação de sigilos e servidores nessa época, pois é quando plantamos um símbolo em nosso inconsciente para gerar uma transformação futura, ou quando começamos a alimentar uma egrégora própria, ambos trabalhos que envolvem lidar com o inconsciente e lançar feitiços pessoais, alterando a realidade a partir da projeção de um sigilo\servidor pela mente. 

 

Outra prática super interessante e que permite até mesmo um certo grau de controle do inconsciente, é a própria Metamorfose! Diria eu que esta é a prática que mais considero incrível no trabalho com nossas mentes. Trata-se de moldar o corpo astral através da mente, que vestirá um certo personagem. Eu recomendo que tentem fazer com animais no começo, tentando projetar-se através de meditações, imaginando-se no corpo de um animal. O processo  é como o de um Ator, deve-se fingir fortemente aquilo a ponto de convencer a mente a tomar aquela forma. Se você já tem referências de qual é seu animal de poder, sentirá uma afinidade maior com a energia e verá como é fácil se transformar nele, porém, não há limites, realmente é necessário muita prática para se realmente obter um efeito satisfatório e domar completamente esta prática. A confirmação principal de que está indo bem, será quando de repente sonhar que está exatamente no corpo do animal que escolheu assumir, e de alguma forma se perceber lúcido nele. Isto será um sintoma de que seu inconsciente já absorveu perfeitamente as ordens que sua mente consciente projetou fortemente e convenceu fortemente os sentidos a se tornarem aquilo que desehou, de forma que seu corpo astral reflete perfeitamente aquilo que você projeta, da mesma forma que a Lua projeta a luz do sol.

Obtive sucesso duas vezes com essa técnica, uma de maneira consciente, e outra de maneira nada consciente. 

Na primeira vez, eu estava trabalhando com a energia da raposa e querendo realmente obter seu poder, obtive sucesso satisfatório na época, a ponto de ter um sonho lúcido em que estava no corpo de uma raposa, porém, com minha consciência humana. 

A segunda situação se deu por que eu muito divagava em querer voar como os pássaros e ver o mundo da forma como eles veem. Assisti documentários sobre águias e falcões, corvos, Corujas etc, imaginando como seria bom ter asas. E foi alimentando esse desejo e esses pensamentos, que um dia tive uma linda projeção, em que voava no corpo de um falcão e via toda uma linda paisagem abaixo de mim, que parecia ser apenas possível no astral.  

 

Espero ter aberto um pouco mais a percepção e significado da simbologia do Mito de Circe, e o quão poderosa é esta egrégora, entre você mesmo em contato com essa deidade e use todo o poder da sua mente a seu favor. 

Please reload

Please reload