Magia do Caos: O Xamanismo Pós-moderno e o Legado de Austin Osman Spare

22/09/2018

 

 

Então seja bem-vindo ao Kali Yuga do Pandemonaeon, onde nada é verdadeiro e tudo é permitido. . . O segredo é que não há segredo do universo. . . Tudo é caos e a evolução não está indo a lugar nenhum em particular.
— Peter J. Carroll, Liber Null e Psiconauta


Navegando através do labirinto da subcultura mágica atualmente, dificilmente podemos deixar de encontrar praticantes da Magia do Caos, uma forma de ocultismo que está atraindo atenção considerável dentro das comunidades mágicas americanas e europeias atualmente. Quem compõe este círculo misterioso, que se reúne sob a bandeira de uma estrela de oito raios e proclama: "Tudo é permitido e nada é verdadeiro"?
Acontece que a Magia do Caos engloba um conglomerado heterogêneo de pessoas e filosofias, e não existe nenhuma definição que seja aceita por todos ou mesmo pela maioria dos praticantes do Caos. Uma maneira útil de considerar a Magia do Caos é como o xamanismo pós-moderno. Peter Carroll, o ocultista britânico que foi o popularizador original do Caos Mágico, observa: “O xamanismo guiou todos os humanos. e ocultá-los em equilíbrio por milhares de anos. Todo ocultismo é uma tentativa de reconquistar essa sabedoria perdida. ”1
Um motivo proeminente conectando magos do Caos é uma filosofia que diz que todos os sistemas de conhecimento são socialmente construídos e culturalmente tendenciosos (uma visão conhecida como pós-modernismo desconstrutivo.) Naturalmente decorre dessa ideia que nenhuma crença é mais verdadeira do que qualquer outra. O pós-modernismo desconstrutivo também afirma que os seres humanos não há um eu permanente ou nuclear, mas consistem em um desfile diverso e em constante mudança de posturas de caráter que são efêmeras e essencialmente sem sentido. 2
Estas suposições têm muito em comum com a doutrina budista de anatman ou “não-eu”, mas voar em face da maioria filosofia tradicional ocidental esotérica e prática, que geralmente pressupõem a existência de um eu pessoal eterna que é capaz de evolução e é sujeito a carma e reencarnação.
O esoterismo ocidental também ensina que os mundos visível e invisível estão ligados por um conjunto de correspondências, ou, como Paracelso os denominou, "as assinaturas da natureza". Essas "assinaturas" podem ser divinadas contemplando o mundo natural e sendo reveladas por adeptos. Um mago pode usar este sistema para manipular energias planetárias, gemas, plantas e entidades como elementais e demônios, a fim de alcançar seus objetivos desejados.

Magos do caos zombam dessas alegações. Eles concluem que a vontade e a imaginação - não a manobra de elementos dentro de uma tabela de correspondências - são as forças operativas da magia. Esses praticantes não só desprezam as “assinaturas da natureza” e outros princípios tradicionais, mas frequentemente deliberadamente parodiam práticas das ordens mágicas mais convencionais, como o uso do lema latino ou nome mágico. Os mágicos do caos podem adotar apelidos como “Frater Non Sequitur” ou “Soror Impropriedade” como uma maneira de manusear os narizes dos tradicionalistas e indicar o absurdo de se levar muito a sério.
No entanto, os magos do caos estão perfeitamente dispostos a usar crenças e rituais tradicionais. Por outro lado, evitam anexar qualquer verdade ou significado final a esses dispositivos e estão dispostos a descartá-los assim que se mostrarem ineficazes. Em outras palavras, as crenças são vistas como ferramentas que podem ser empregadas ou abandonadas ao capricho do mago (uma prática que elas frequentemente chamam de “mudança de paradigma”). Austin Osman Spare, o ocultista inglês e artista cujo trabalho influenciou fortemente a Magia do Caos, escreveu que a crença de um mago nunca deveria ficar estagnada ou trancada em uma forma divina específica: “O familiar é sempre estéril. . . o familiar induz a fadiga; fadiga induz indiferença; que nada seja visto dessa maneira; enxergar ser como visão - toda visão uma revelação ”3
Peter J. Carroll traçou as origens da Magia do Caos a quatro matrizes principais: Spare, Aleister Crowley e as tradições do xamanismo e da feitiçaria. Uma compreensão do trabalho de Spare, embora talvez o mais misterioso e o menos acessível dessas fontes, seja crucial para compreender o impulso por trás da Magia do Caos, porque ele é considerado seu avô.
Austin Osman Spare (c.1886-1956), também conhecido por seu nome mágico, Zos, nasceu em Snowhill, Londres, para pais de classe média. Em tenra idade, ele exibiu grande habilidade como artista, e aos dezesseis anos ele recebeu uma bolsa de estudos para a Academia Real de Arte. Ele trabalhou como ilustrador de livros, e seu trabalho visionário e surrealista foi elogiado por homens como George Bernard Shaw e John Singer Sargent. Ele também escreveu vários livros, incluindo Earth Inferno, Focus of Life e A Book of Satyrs. Além da arte, o ocultismo era a paixão da vida de Spare, e seu trabalho mais influente foi O Livro do Prazer, um volume belamente ilustrado que detalhava sua filosofia arcana. 4
De todas as contas, Spare era dotado de notáveis ​​habilidades psíquicas. Quando jovem, ele conheceu e estudou com uma mulher idosa indigente a quem ele chamava em seus escritos “Mrs. Paterson. ”Ela era uma exímia adivinhadora que podia induzir formas de pensamento a manifestar-se visualmente durante suas consultas divinatórias; Spare também poderia conseguir esse efeito, embora não com a consistência de seu professor. Além disso, a Sra. Paterson, que afirmava ser uma bruxa iniciada, transmitiu muito do seu conhecimento secreto ao seu jovem aluno. 5
Usando técnicas colhidas da Sra. Paterson, Spare procurou mergulhar em seu inconsciente através dos meios do sexo e da arte, enquanto usava suas incursões nos domínios invisíveis como uma inspiração para seu trabalho criativo. Ele freqüentemente contatou os habitantes dos mundos invisíveis, especialmente um guia espiritual chamado Águia Negra. Mais tarde,

Spare tornou-se um iniciado na ordem mágica de Crowley, o Ordo Templi Orientis, mas ele saiu depois de cerca de um ano, preferindo trabalhar por conta própria. 6
O Livro do Prazer contém um dos projetos mais importantes de Spare: o "Alfabeto do Desejo" (também chamado de "Alfabeto Atávico"), uma ferramenta mágica que ele concebeu para agilizar o contato com os reinos psíquicos. Este alfabeto de “sigilos” (anagramas estilizados) era uma parte instrumental de sua técnica de “ressurgimento atávico”, uma prática usada para desenvolver a consciência de encarnações anteriores, incluindo vidas animais. Nevill Drury, o autor de vários livros sobre magia e xamanismo, escreve que o pensamento de reposição “ele poderia refazer suas existências anteriores e, depois de localizar a sua primeira personalidade, poderia transcender e fundir-se com o vazio, que ele chamou Kia.” 7
Spare realizada que cada mago deveria construir um alfabeto individual de sigilos a partir do material de sua mente inconsciente. Cada sigilo representaria uma instrução para o inconsciente, e a meditação em um sigilo particular faria com que a energia correspondente latente nessa parte da mente se elevasse, agora livre para ser usada pela vontade do mago. Spare também fez uso de práticas indutoras de transe, incluindo “a Postura da Morte” (olhando fixamente para um espelho a curta distância), para induzir um estado de vazio, permitindo que o sigilo contornasse a mente consciente e entrasse em contato direto com o inconsciente. .
Enquanto a maioria dos ocultistas provavelmente concordaria que o ressurgimento atávico é um potente dispositivo psicológico, eles diferem quanto à conveniência de seu uso. Embora Drury afirme que o trabalho de Spare foi o pioneiro de novas perspectivas no ocultismo, ele acredita que a mágica de Spare era contra-evolucionária no sentido de que Spare se expunha a aspectos primordiais da consciência que são melhor deixados sem serem perturbados. De acordo com Drury, Spare ficou impressionado com a reativação de energias atávicas que ele era incapaz ou não queria controlar, e seu trabalho artístico sofreu como resultado. 8
Damien Anderson, no entanto, um mágico e autor do Caos, sustenta que Spare, um mágico extremamente poderoso, conscientemente e destemidamente se ofereceu como um meio do Vazio para facilitar sua obra de arte, e que através de seu trabalho mágico ele colheu exatamente o tipos de resultados artísticos que ele estava procurando. 9
A filosofia que sustenta a prática do ressurgimento atávico está fundamentada na concepção de Spare de “Kia”, um termo que ele usou para denotar o espaço entre os mundos, o reino “Nem um nem outro”. Ele postulou que libertar-se dos dogmas tradicionais e das convenções sociais, bem como empregar a ferramenta do ressurgimento atávico, liberaria energia da psique. Essas práticas, por sua vez, facilitariam a comunhão do mago com Kia (diferentemente conhecida em outras tradições como Eu, Deus ou o Tao). Seu objetivo era permanecer além dos estados de subjetividade e objetividade e entrar no que o poeta Rainer Maria Rilke chama de Weltinneraum, "o mundo-interior-espaço". A rejeição de Spare à moralidade e religião convencionais é outra postura que os magos do Caos geralmente adotam.
Os praticantes atuais não são menos individualistas do que Spare, como aprendi com minhas perguntas sobre a Magia do Caos na Internet. Respondendo às minhas perguntas, um praticante, JB Bell, explicou: “Eu acho que a Magia do Caos é uma maneira científica de fazer magicka. É totalmente empírico, no sentido de que suas técnicas se preocupam apenas em obter resultados. Não se preocupa com a metafísica de por que as técnicas mágicas fazem o que fazem. ”
Tzimon Yliaster, outro mago, escreveu:“ Como todos os sabores de 'magia', é um meio de causar mudanças mais ou menos em conformidade com os desejos da pessoa. . Diferentemente da maioria dos outros sabores, no entanto, ele se baseia na experiência individual e na descoberta para determinar a validade das técnicas. . . O que é válido para um mágico pode muito bem ser inútil para outro.” Zazas, de Oakland, Califórnia, acrescentou: “Magia do Caos. . . procura atualizar a teoria em termos da ciência moderna, particularmente a física quântica, e rejeita o dogma, particularmente a bagagem metafísica que a tradição mágica transmitiu durante séculos como 'verdade' sagrada."
Enquanto a palavra "caos" geralmente evoca visões de tumulto e desordem, Peter Carroll usa o termo em um sentido específico: ele entende que o Caos é a força que anima todos os eventos do cosmos. Ele observa que outras tradições se referem a essa “coisa” como Deus ou Tao, mas ele prefere chamar de “Caos” porque esse termo é “virtualmente sem sentido e livre das idéias infantis e antropomórficas sobre religião”. 11
Na terminologia de Carroll, a consciência é "Kia", uma parte do Caos maior. O mago procura aumentar a manifestação do Kia através de exercícios de concentração, bem como através de estados alterados de consciência; As técnicas empregadas incluem percussão, cânticos, drogas psicotrópicas, excitação sexual e excitação emocional provocadas pela contemplação de imagens horríveis ou grotescas. De acordo com Carroll, "na medida em que o Kia pode se tornar um com o Caos, ele pode estender sua vontade e percepção para o universo e realizar a magia".12
Não é de surpreender que certos aspectos dessa filosofia tenham recebido consideráveis ​​críticas. O autor Jan Fries, por exemplo, afirma depreciativamente que a Magia do Caos é simplesmente a moda mais recente nos círculos ocultistas e é na verdade “apenas um nome bonito para o inconformismo organizado”.13
Ele critica os magos do Caos que desejam “mais poder, melhores resultados, menos esforço, magia mais forte ”, dizendo que muitos não entendem que o desejo por todas essas coisas é apenas mais um desvio do ego.
Mas algo mais provocativo do que um simples desejo de não-conformidade une os praticantes da magia do Caos. Junto com uma aceitação geral do desconstrucionismo, eles parecem fascinados com o eu sombrio, as esferas escuras da realidade e imagens fantasmagóricas e macabras. Não por coincidência, muitos magos do Caos se detonaram em jogos de fantasia como Dungeons and Dragons, e muitos também são devotos de HP Lovecraft e outros escritores dos gêneros de terror e fantasia. Esses mágicos geralmente incorporam elementos de ficção de fantasia (os mitos de Lovecraft, por exemplo) em seus rituais.
Esse encantamento com o lado negro da existência é explicado pelo autor Mishlen Linden, que observa que o ocultismo ocidental enfatizou os "deuses da luz" e reprimiu as forças sombrias da psique. Linden declara que é necessário um equilíbrio de imagens claras e escuras, e observa que “quando luz e escuridão. . . foram integrados, então todos nós podemos ser verdadeiramente livres. ” 14
Há outros que vêem o valor de integrar o simbolismo gótico e etéreo em sua prática mágica. Em seu artigo “Os Princípios Dualistas do Poder Mágico”, Damien Anderson diz que o ocultista deveria escolher o sistema simbólico que causa o maior tumulto dentro da psique; a turbulência resultante ajudará a dissolver as estruturas de crença que restringem a energia psíquica - uma teoria que remete à filosofia de Spare. Para alguns, imagens etéreas de luz e amor produzirão o melhor resultado, enquanto para outros, o simbolismo chocante e horrível será mais eficaz.
Anderson continua a definir a "Mágicka" como um "que deseja exercer o poder e criar a mudança pela vontade. Magia é projetada para manipular as forças que estão no fundo dos vazios da não-mente. ”O escárnio mútuo que os magos“ negros ”e“ brancos ”geralmente sentem pelas tradições de cada um é um resultado da má compreensão da natureza do poder. Em última análise, o poder é puro e desprovido de cor. . . . Quer uma Mágicka usa o simbolismo da Escuridão ou Luz, o Poder manifestando será puro em forma se a Mágicka é um canal claro. ” 15
Carroll também aborda a questão da magia branca e negra em Liber Null e Psiconauta:“ Magia Branca se inclina mais para a aquisição de sabedoria e um sentimento geral de fé no universo. A forma negra está mais preocupada com a aquisição de poder e reflete uma fé básica em si mesmo. Os resultados finais provavelmente não serão diferentes, pois os caminhos se encontram de uma maneira impossível de descrever. ” 16
A comunidade de magia branca tem sido conhecida por demonizar a prática da Magia do Caos, temerosa de que sua preocupação com os reinos mais sombrios, junto com o axioma “Tudo é permitido e nada é verdadeiro”, pode ser um mandato para desordem e caos. Claramente, o perigo está presente: alguns aficionados da magia do Caos parecem ter se tornado excessivamente obcecados pelo poder e controle, exibindo uma arrogância como a de adolescentes rebeldes. 17
A maioria dos praticantes, no entanto, considera o slogan “Tudo é permitido e nada é verdadeiro” como simplesmente um catalisador para o pensamento crítico. Marik, um mágico de Nova Orleans, diz que seu objetivo como praticante da magia do Caos é "desconstruir estruturas de crenças para permitir que a energia livre resultante dessa desconstrução produza efeitos mágicos". Longe de defender um antinomianismo degenerado, Marik afirma que desenvolver uma moralidade pessoal é primordial para o mago e é importante para alcançar uma vida de sucesso e compaixão. Ele enfatiza, no entanto, que é preciso construir uma moralidade a partir da experiência de vida e não adotar um código ético de segunda mão; sua própria perspectiva moral ressoa de perto com os princípios éticos budistas.
Tal complexidade de crenças não é surpreendente, tendo em vista as diversas fontes das quais os adeptos vêm para a Magia do Caos. Alguns praticantes não tinham experiência anterior com ocultismo, mas ficaram intrigados com essa forma particular como resultado de seu interesse em Lovecraft, física quântica ou teoria científica do caos. Outros foram anteriormente envolvidos com o paganismo e xamanismo, Voodoo, disciplinas espirituais orientais, ou outras ordens mágicas ocidentais. Vários magos do Caos ainda mantêm suas afiliações com outros grupos, incluindo os covens wiccanianos e o Ordo Templi Orientis.
Grande parte da atração da Magia do Caos reside em seu individualismo e sua falta de dogma. Os rituais do caos, por exemplo, tendem a ser diversos e idiossincráticos. Ashton, um praticante de Santa Cruz, Califórnia, descreveu sua programação mágica assim: “Os deuses da casa são Legba, Shub-Niggureth, Eris e vários servidores. Eles são tratados e alimentados diariamente, e eu faço uma boa quantidade de trabalho tipo 'bruxa de cozinha'. . . . Eu sou um Thelemita ativo e executo Resh (todos os 4), Vontade e uma Eucaristia diariamente também. Eu tenho duas correntes divergentes de Ciclo de Mito que pratico, mantenho os funcionamentos da Aurora Dourada, e continuo trabalhando em um Alfabeto do Desejo e vários funcionamentos de servidor / egrégora. Atualmente eu trabalho solo na Flesh e on-line com um número de Adeptos Virtuais. ”
Um praticante de Caos baseado em San Luis Obispo, Califórnia, diz:“ Eu fiz qualquer coisa desde cerimonial egípcio até adivinhação óssea africana até o uso de um instrumento para induzir um efeito mágico. Eu gosto de trabalhar em caminhos e invocar demônios do Necronomicon”. Outro ocultista escreveu:“ Eu geralmente trabalho sozinho. . . ### Eu faço algumas coisas devocionais básicas para minha divindade no momento (ultimamente deusas da morte astecas) e sangue e dor são boas ferramentas, assim como a calma e o canto. ”
Além das práticas individuais, há também várias organizações de caos, o mais conhecido dos quais é o Illuminates of Thanateros (IOT), uma ordem iniciada por Peter Carroll. De acordo com um comunicado da Internet, o primeiro aviso público do IOT foi publicado na revista New Equinox em 1978 e declarou: “A IOT representa uma fusão de Magia Thelêmica, Tantra, As Feitiçarias de Zos e Tao. Os não-mistérios dos sistemas simbólicos foram descartados em favor do domínio da técnica. ”
A IOT passou por uma série de transtornos institucionais desde a sua criação, e Carroll acabou se desassociando do grupo. O ramo alemão-austríaco do IOT se separou da organização internacional há algum tempo e, por todos os relatórios, está se expandindo rapidamente. Em contraste, as seções britânicas e americanas parecem estar experimentando alguma desorganização e atenuação no presente. A seção americana do IOT encontrou deserções em massa ao longo dos anos, com membros protestando contra a organização hierárquica da ordem, e agora apenas um punhado de constituintes ativos permanece.
A IOT Americana, embora não originalmente uma ordem mágica altamente estratificada, parece ter evoluído para uma operação hierárquica com um sistema de classificação rigorosa. Este tipo de burocracia é um anátema para a grande maioria dos magos do Caos; consequentemente, a maioria dos ex-membros americanos do IOT ainda não é afiliado ou trabalha dentro de corporações do Chaos vagamente organizadas, como a Autonomatrix, de São Francisco. Além disso, grande parte do trabalho ritual de comunicação e grupo entre os acólitos americanos da Magia do Caos atualmente ocorre no reino do ciberespaço, no grupo de notícias alt.magick.chaos da Internet.
Um grupo, o Pacto dos Antigos, liderado por Damien e Susan Anderson e Michael Callahan, está envolvido na ativação de compostos químicos no cérebro por meios mágicos, com o objetivo de alterar certos elementos da estrutura genética humana.  Um de seus métodos é usar meditações de evocação goética para “reestruturar” os “complexos” existentes ou programas com a psique, bem como para construir novos complexos psicológicos. Embora eles acreditem que este trabalho possa eventualmente levar a uma grande clareza psicológica e poder para o mago, Damien Anderson explica que é um processo lento sem resultados rápidos. O grupo não está aceitando iniciados no momento, mas os Andersons dizem que estão abertos a corresponder com os interessados ​​em seu trabalho e planejam oferecer um curso por correspondência no futuro próximo.
Um dos grupos mais inovadores do Caos é a TAZ (Zona Autônoma Temporária) em Nova Orleans. A ideia da TAZ originou-se do trabalho de Hakim Bey, um brilhante poeta-anarquista cujas composições apareceram em numerosos jornais e revistas, incluindo o City Lights Review e o GNOSIS. Embora Bey esteja relutante em definir precisamente o conceito da TAZ, ele diz que a “TAZ é 'utópica' no sentido de que prevê uma intensificação da vida cotidiana, ou, como diriam os surrealistas, a penetração da vida pelo Maravilhoso. . . . Os padrões de força que trazem a TAZ à existência têm algo em comum com aqueles caóticos 'Atratores Estranhos' que existem, por assim dizer, entre as dimensões. ”
A TAZ de Nova Orleans é composta por cerca de quinze magos ativos do Caos. Banda não hierárquica sem líder designado, a TAZ se considera uma associação de amigos dedicados ao trabalho mágico e não como uma ordem formal. Suas reuniões bimestrais incluem discussões sobre Magia do Caos, bem como trabalhos mágicos reais. O grupo realiza rituais privados, públicos e on-line, e espera publicar uma revista digital dedicada a criar “nichos mágicos dentro de estruturas informacionais” em um futuro próximo.
O que o futuro reserva para o mundo complexo e caleidoscópico da Magia do Caos? Peter Carroll e outros praticantes do Caos, incluindo o mágico britânico Phil Hine e o ocultista alemão Frater UD, estão entre as figuras mais criativas da magia ocidental hoje e estão trabalhando ativamente para revitalizar a tradição. Os críticos podem sentir que a Magia do Caos está fadada simplesmente a ser o mais recente impulso transitório dentro da comunidade oculta. Parece mais provável, no entanto, dado o número crescente de livros e periódicos que aparecem sobre o assunto, bem como o intenso nível de atividade do ciberespaço que ela gerou, que a Magia do Caos exercerá uma força rejuvenescedora sobre a tradição ocidental por muitos anos .

 

Copyright por Siobhán Houston, 1995. Todos os direitos reservados. Publicado em GNOSIS: Um Jornal das Tradições Internas Ocidentais, Verão de 1995.

 

NOTAS
1. Peter J. Carroll, Liber Null e Psychonaut: Uma Introdução à Magia do Caos (York Beach, Me .: Samuel Weiser, 1987, 1991), p. 169.
Houston / Magia do Caos / 8
2. Para uma excelente discussão e crítica do pós-modernismo desconstrutivo, ver Charlene Spretnak, Estados de Graça: A Recuperação do Significado na Era Pós-moderna (San Francisco: HarperSanFrancisco, 1991).
3. Austin Osman Spare, O Grimório de Zos, citado em Kenneth Grant, The Magical Revival (Letchworth, Reino Unido: Frederick Muller Ltd., 1972), p. 206.
4. Nevill Drury, Vision Quest: Uma jornada pessoal através da magia e do xamanismo (Bridport, Dorset, Reino Unido: Prism Press, 1984), pp. 7-8. Alguns desses trabalhos foram republicados em From the Inferno to Zos: Os Escritos e Imagens de Austin Osman Spare (Thame, Reino Unido: Mandrake Press, 1993).
5. Grant, pp. 181-82.
6. Carta de FW Letchford, autor do próximo Mago de Southwark (uma biografia de Spare), ao autor, 4 de abril de 1994.
7. Drury, p. 10.
8. Ibid., P. 70.
9. Conversa telefônica com o autor, 28 de janeiro de 1995.
10. Os praticantes do Caos costumam usar a grafia mágica para distinguir as práticas ocultas da magia do sleight of hand, uma distinção popularizada por Aleister Crowley.
11. Peter J. Carroll, Liber Null e Psychonaut, p. 28.
12. Ibid., P. 29.
13. Jan Fries, Mágicka Visual: Um Guia para o Xamanismo Freestyle (Oxford: Mandrake, 1992). p. 33. Apesar do opróbrio de Fries, este é um livro popular entre os praticantes do Caos.
14. Mishlen Linden, Terotomas Tifonianos: As Sombras do Abismo (Cincinnati, Ohio: Black Moon Publishing, 1993), pp. 9-10.
15. Damien Gregory Anderson, "Os Princípios Dualistas do Poder Mágico", em A Filosofia de uma Magia (Sacramento, Calif .: impressos em particular, 1992), pp. 24-41.
16. Peter J. Carroll, citado em Anderson, p. 23.
17. Creio que são esses os profissionais a quem Jan Fries dirige sua crítica.
18. Conversa telefônica com o autor, 26 de janeiro de 1995.
19. Hakim Bey, TAZ: A Zona Autônoma Temporária, Anarquia Ontológica, Terrorismo Poético (Brooklyn, NY: Autonomedia, 1985, 1991), p. 111. Veja também o artigo "The Immediatist Manifesto" in GNOSIS # 27.
OUTROS RECURSOS
Houston / Chaos Magic / 9
Carroll, Peter J. Liber Kaos. York Beach, Maine: Samuel Weiser, Inc., 1992. (Revisado no GNOSIS # 27.)
Frater UD Prático Sigil Magic. Tradução de Ingrid Fischer. St. Paul, Minn .: Llewellyn Publications, 1991.
Hine, Phil. Caos Primevo. Londres: Chaos International, 1993.
Mindell, Arnold. O corpo do xamã San Francisco: HarperSanFrancisco, 1993.
Zweig, Connie e Jeremiah Abrams, eds. Encontrando a Sombra: O Poder Oculto do Lado Negro da Natureza Humana. Los Angeles: Jeremy P. Tarcher, 1991
 

Please reload

Please reload