As flores e a mitologia

24/06/2019

 

 

Da nova vida à morte, da pureza à paixão, as flores tiveram muitos significados em mitos e lendas. Crescendo de um broto macio à plena floração, as flores estão associadas com juventude, beleza e prazer. Mas, à medida que murcham e morrem, as flores representam a fragilidade e a passagem rápida da vida para a morte. Flores específicas, como rosas e lírios, assumiram um significado simbólico na mitologia.

 

Papéis das flores

 

Muitas plantas florescem por apenas algumas semanas, muitas vezes na primavera ou no início do verão, e as flores individuais tendem a ser de curta duração. Em seu auge, as flores são delicadas, coloridas e, com frequência, adocicadas. Destas qualidades emergem os significados simbólicos das flores e, em algumas culturas, das deusas florais .
 

Simbolismo

 

Muitas culturas conectam flores com o nascimento, com o retorno da primavera após o inverno, com a vida após a morte, e com a juventude alegre, a beleza e a alegria. No entanto, porque elas desaparecem rapidamente, as flores também estão ligadas à morte, especialmente à morte dos jovens. Juntos, os dois conjuntos de associações sugerem a morte, seguida pelo renascimento celestial, que pode ser uma das razões para a tradição de colocar ou plantar flores nas sepulturas. As pessoas também oferecem flores para seus deuses em santuários e decoram igrejas com elas.

Em muitas sociedades, certas cores de flores adquiriram significados simbólicos. As flores brancas, por exemplo, representam tanto a pureza quanto a morte, enquanto as vermelhas geralmente simbolizam paixão, energia e sangue. Flores amarelas podem sugerir ouro ou sol. Na tradição taoísta chinesa, o mais alto estágio da iluminação era retratado como uma flor dourada que crescia do alto da cabeça.

As formas das flores também têm significado. Flores com pétalas projetando-se para fora como raios de luz do sol têm sido associadas ao sol e à ideia do centro - do mundo, do universo ou da consciência.
 

Deusas

 

Os astecas, que dominavam o centro do México antes do início do ano de 1500, tinham uma deusa da sexualidade e da fertilidade chamada xochiquetzal, que significa "flor em pé". Ela carregava um buquê de flores e usava uma coroa de flores em seu cabelo. Fragmentos da poesia sobrevivente mostram que os astecas reconheciam o duplo simbolismo das flores como emblemas da vida e da morte:

 

floral que tem a ver com flores

iluminação no budismo, um estado espiritual marcado pela ausência de desejo e sofrimento

 

As flores brotam e brotam, crescem e brilham. . . . 

Como uma flor no verão, o nosso coração se refresca e floresce. 

Nosso corpo é como uma flor que floresce e rapidamente murcha. . . . 

Pereça implacavelmente e floresça mais uma vez, flores que tremem e caem e se transformam em pó.

 

Os gregos também tinham uma deusa floral, Chloris, que era casada com Zephyrus, o deus do vento do oeste. Os romanos a chamavam de Flora e a honravam a cada ano com uma celebração conhecida como Floralia. Ela era frequentemente retratada segurando flores ou espalhando-as; sua imagem coroada de flores apareceu em moedas da república romana.

 

Histórias e Significados

 

Muitas flores de todo o mundo aparecem na mitologia. A anêmona, cravo, jacinto, lírio, lótus, narciso, papoula, rosa, girassol e violeta estão entre aquelas que estão associados a histórias ou costumes de várias culturas.


 

Anêmona

A mitologia grega ligava a anêmona vermelha, às vezes chamada de windflower, à morte de Adonis . Este jovem bonito era amado por Perséfone, rainha do submundo, e Afrodite, deusa do amor. Adonis gostava de caçar, e um dia, quando estava caçando sozinho, feriu um feroz javali, que o esfaqueou com suas presas. Afrodite ouviu os gritos de seu amante e chegou a ver Adonis sangrando até a morte. Anêmonas vermelhas brotavam da terra onde as gotas do sangue de Adonis caíam. Em outra versão da história, as anêmonas estavam brancas antes da morte de Adonis, cujo sangue as deixou vermelhas.

Cristãos mais tarde adotaram o simbolismo da anêmona. Para eles, seu vermelho representava o sangue derramado por Jesus Cristo na cruz. Anêmonas às vezes aparecem em pinturas da Crucificação.


 

Cravo

 

Compostas por pétalas de franjas brancas, amarelas, cor-de-rosa ou vermelhas, bem embaladas e com franjas, têm muitos significados diferentes. Para os índios do México, eles são as "flores dos mortos", e suas flores perfumadas são empilhadas em torno de cadáveres sendo preparados para o enterro. Para os coreanos, três cravos colocados no topo da cabeça são uma forma de adivinhação. A flor que murcha primeiro indica qual fase da vida da pessoa conterá sofrimento e sofrimento. Para os flamengos da Europa, os cravos vermelhos simbolizavam o amor, e uma espécie de cravo chamado de rosa era tradicionalmente associada a casamentos.

 

Jacinto

 

O mito grego de Jacinto e  Apolo conta a origem do jacinto, um membro da família dos lírios. Hyacinthus, um jovem lindo de  Sparta *, era amado pelo deus sol Apolo. Um dia os dois estavam se divertindo lançando um disco quando o disco atingiu Hyacinthus e o matou. Alguns relatos dizem que Zéfiro, o deus do vento do oeste, dirigiu o disco por inveja porque ele também amava Jacinto.

 

Enquanto Apolo estava profundamente aflito, lamentando a perda de sua companheira, uma esplêndida nova flor emergiu da terra manchada de sangue onde o jovem havia morrido. Apolo nomeou-o jacinto e ordenou que um festival de três dias, o Hyacinthia, fosse realizado em Esparta todos os anos para homenagear seu amigo.
 

Lírio

 

Para os antigos egípcios, o lírio em forma de trombeta era um símbolo do Alto Egito, a parte sul do país. No antigo Oriente Próximo, o lírio estava associado a Ishtar, também conhecida como Astarte, que era uma deusa da criação e da fertilidade, bem como uma virgem. Os gregos e romanos ligaram o lírio à rainha dos deuses, chamada Hera pelos gregos e Juno pelos romanos. O lírio também era um dos símbolos da deusa romana Vênus.

Em tempos posteriores, os cristãos adotaram o lírio como o símbolo de Maria, que se tornou a mãe de Jesus enquanto ainda era virgem. Os pintores costumavam retratar o anjo Gabriel entregando um lírio a Maria, que se tornou um símbolo cristão de pureza. Além de estar ligado a Maria, o lírio também era associado a santos virgens e outras figuras de excepcional castidade.

 

Lótus

O lótus compartilha algumas associações com o lírio. As flores de lótus, que florescem na água, podem representar o poder sexual feminino e a fertilidade, assim como o nascimento ou o renascimento.Os antigos egípcios retrataram a deusa Ísis nascendo de uma flor de lótus e colocaram lótus nas mãos de seus mortos mumificados para representar a nova vida na qual as almas mortas tinham entrado.

 

O lótus aparece frequentemente em histórias hindus e budistas. Aqui, Buda se senta em um trono de flores de lótus.

Na mitologia asiática, o lótus muitas vezes simboliza os órgãos sexuais femininos, dos quais nascem novas vidas. Os lótus aparecem na mitologia hindu e budista. Os hindus referem-se ao deus Brahma como "nascido de lótus", pois dizem que ele emergiu de um lótus que era o umbigo, ou centro, do universo. O lótus é também o símbolo da deusa Padma, que aparece nos dois monumentos hindus e budistas como uma força criativa.

A santidade da flor é ilustrada pela lenda de que, quando o Buda andou sobre a terra, deixou lótus em sua trilha, em vez de pegadas. Um mito sobre a origem do Buda relata que ele apareceu pela primeira vez flutuando em um lótus. De acordo com uma lenda japonesa, a mãe de   Nitiren (Lótus do Sol) engravidou sonhando com a luz do sol em um lótus. Nichirin fundou um ramo do budismo nos anos 1200. A frase "Om mani padme hum", que ambos hindus e   Os budistas usam na meditação, significa "a joia no lótus" e podem se referir ao Buda ou à união mística das energias masculina e feminina.

Narciso

O mito grego sobre o   a flor do narciso envolve a punição dos deuses por deficiências humanas. Como as histórias de Adonis e Hyacinth, envolve a transferência de vida ou identidade de um jovem moribundo para uma flor.

Narciso era um jovem excepcionalmente atraente que desprezava os avanços daqueles que se apaixonaram por ele, incluindo a ninfa Echo. Sua falta de simpatia pelas dores daqueles que ele rejeitou enfureceu os deuses, que fizeram com que ele se apaixonasse por seu próprio reflexo enquanto se inclinava sobre uma poça de água. Preso em auto-adoração, Narciso morreu - ou por afogamento enquanto tentava abraçar sua própria imagem ou se definhando na borda da piscina. No lugar onde ele se sentou olhando fixamente para a água, apareceu uma flor que as ninfas chamavam de narciso. Tornou-se um símbolo de egoísmo e frieza. Hoje os psicólogos usam o termo narcisista para descrever alguém que dirige suas afeições para dentro e não para outras pessoas.

Papoula 

 

Um tipo de papoula nativa da região do Mediterrâneo produz uma substância chamada ópio, uma droga que foi usada no mundo antigo para aliviar a dor e trazer o sono. Os gregos associavam as papoulas a Hypnos, deus do sono, e a Morpheus, deus dos sonhos. A morfina, uma droga feita de ópio, recebe o nome de Morpheus.

 

Rosa

 

A rosa, uma flor de cheiro doce que floresce em um arbusto espinhoso, teve muitos significados na mitologia. Foi associada com a adoração de certas deusas e foi, para os antigos romanos, um símbolo de beleza e a flor de Vênus. Os romanos também viam as rosas como símbolo de morte e renascimento, e frequentemente as plantavam em sepulturas.

 

A linguagem das flores

 

Na Europa do final do século XIX, a ideia de que as flores representavam sentimentos se transformou em um sistema de comunicação por meio de arranjos de flores. Os livros de código guiavam aqueles que queriam compor ou ler mensagens florais. De acordo com um livro, a flor de macieira significa "Será que o brilho do amor finalmente avermelhará suas bochechas delicadas?" Trevo de campo significava "Me avise quando eu puder vê-lo novamente". Uma pétala de rosa vermelha significava "Sim!", Uma branca "Não!" Spurge, uma flor verde, carregou a mensagem: "Sua natureza é tão fria que se pode pensar que seu coração é feito de pedra". Os usuários dessa linguagem elaborada precisavam não apenas de um livro de códigos, mas também da capacidade de reconhecer flores.

Quando os cristãos adotaram a rosa como um símbolo, ela ainda mantinha conexões com antigas deusas-mães. A flor foi associada a Maria, a mãe de Cristo, que às vezes era endereçada como a Rosa Mística ou Santa. Com o tempo, a rosa adquiriu significados adicionais no simbolismo cristão. Rosas vermelhas passaram a representar o sangue derramado pelos mártires que morreram por sua fé; os brancos defendiam a inocência e a pureza. Uma lenda cristã diz que as rosas originalmente não tinham espinhos. Mas depois do pecado de Adão e Eva - para o qual foram expulsos do Jardim do Éden - a rosa criou espinhos para lembrar às pessoas que elas não viviam mais um estado de perfeição.


 

Girassol

 Algumas flores viram suas cabeças durante o dia, girando lentamente em seus talos para enfrentar o sol enquanto viaja pelo céu. O mito grego de Clytie e Apolo, que existe em várias versões, explica esse movimento como o legado de uma garota apaixonada.

Clytie, que era uma ninfa da água ou uma princesa da antiga cidade da Babilônia, se apaixonou por Apolo, deus do sol. Por um tempo o deus devolveu seu amor, mas depois ele se cansou dela. A desamparada Clytie sentou-se, dia após dia, lentamente virando a cabeça para ver Apollo se mover pelo céu em sua carruagem solar. Eventualmente, os deuses tiveram pena dela e a transformaram em uma flor. Em algumas versões do mito, ela se tornou um heliotrópio ou calêndula, mas a maioria dos relatos diz que Clytie se tornou um girassol.

 

Violeta

 

Violeta, que cresce baixo até o chão e tem pequenas flores roxas ou brancas, apareceu em um antigo mito do Oriente Próximo que provavelmente inspirou o mito grego e romano de Vênus e Adônis. De acordo com esta história, a grande deusa mãe Cibele amava Attis, que foi morto enquanto caçava um javali. Onde o sangue dele caiu no chão, violetas cresceram.

Os gregos acreditavam que as violetas eram sagradas para o deus Ares e um dos muitos amores humanos de Zeus. Mais tarde, no simbolismo cristão, o violeta simbolizava a virtude da humildade, ou modéstia humilde, e várias lendas contam que as violetas brotavam das sepulturas das virgens e dos santos. Os contos populares europeus associam as violetas à morte e ao luto.

 

Traduzido de: http://www.mythencyclopedia.com/Fi-Go/Flowers-in-Mythology.html
Consulte Mais informação:   http://www.mythencyclopedia.com/Fi-Go/Flowers-in-Mythology.html#ixzz5rigTUXsn

Tags:

Please reload

Please reload